Movimento Operário

Reitoria da UERJ anuncia que vai trancar a universidade para não pagar os salários atrasados dos terceirizados.

17 Dec 2014   |   comentários

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro foi virada de ponta-cabeça nesta quarta-feira 17/12, quando funcionários terceirizados da empresa Construir, responsáveis pela limpeza do Hospital Universitário Pedro Ernesto ocuparam os corredores da universidade exigindo que o REItor Vieralves pague os dois meses de salário atrasado.

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro foi virada de ponta-cabeça nesta quarta-feira 17/12,quando funcionários terceirizados da empresa Construir, responsáveis pela limpeza do Hospital Universitário Pedro Ernesto ocuparam os corredores da universidade exigindo que o REItor Vieralves pague os dois meses de salário atrasado. Com um ímpeto guardado de anos de humilhações e de exploração que estes trabalhadores sofrem na mão das empresas de terceirização, das Reitorias e do governo do estado. O ato durou aproximadamente sete horas, e nas duas primeiras horas, os trabalhadores terceirizados dos elevadores que também estão sem receber aderiram àgreve, abandonando seus postos.

Os terceirizados atravessaram todos os cantos e andares da UERJ aonde ecoou o grito dos trabalhadores contra as condições precárias e o regime super-explorador deste trabalho sem o qual a Universidade não funciona. Em todo o caminho entre o a Prefeitura do Campus, a Reitoria e os doze andares do prédio, os trabalhadores devolveram o trabalho não pago, como se pode ver nas fotos do portão de entrada.

O prefeito do Campus Ivair Lopes Machado, depois desta pressão, assumiu o compromisso de que as empresas depositariam até sexta-feira os salários, sem o décimo terceiro. No entanto, bastou uma duas horas depois de os trabalhadores da universidade deixarem o prédio para o Reitor decretar o golpe, anunciando que a universidade vai fechar mais cedo com a desculpa de que não teria como pagar estes funcionários. ( http://www.uerj.br/lendo_noticia.php?id=828 )

É mais uma mostra do autoritarismo do Reitor, que já de férias decide decretar recesso antes da hora, para esta quinta-feira 18/12. A reitoria que desvia dinheiro para os funcionários fantasmas filhos da Benedita da Silva, e que some com o dinheiro do aluguel da UERJ para a FIFA e para a Globo é a responsável por toda a sujeira da UERJ. O Reitor, o governador e a empresa Construir são responsáveis por arruinar o Natal destes trabalhadores. Todo mês de dezembro é a mesma coisa!

É obrigação da Associação dos Docentes da UERJ (Asduerj) e do SIndicato dos Trabalhadores da UERJ (SIntuperj) defender os terceirizados da UERJ que só não se somaram ao ato de hoje por causa das perseguições, assédios e advertências! Estão convidados a se posicionar frente ao descaso da reitoria que não passou as verbas para a empresa contratada, e que tem responsabilidade como "responsável solidária" da "contratada", como consta na lei.

Desde as 20h até o momento em que se escrevia esta nota, centenas de estudantes fechavamm a São Francisco Xavier em solidariedade aos terceirizados. Os Centros Acadêmicos devem se colocar àapoiar ativamente estes trabalhadores, contra que trabalhem de graça, e denunciar a Reitoria irresponsável que não os paga.

Convocamos os estudantes a estarem presentes conosco para se somar aos piquetes dos trabalhadores, às 6:30 na frente do Hospital Pedro Ernesto!

Artigos relacionados: Movimento Operário , Rio de Janeiro









  • Não há comentários para este artigo