Internacional

BOLÃ VIA

Viva a luta dos trabalhadores da saúde e da COB! Todos àCúpula Operária convocada pela COB!

11 May 2012   |   comentários

No dia 9 de maio se iniciou a paralisação de 72 hs da COB, exigindo aumento salarial superior aos míseros 8% decretado pelo governo no dia 1 de maio. Aderiram ao chamado não só os estudantes e as universidades do país, como também os indígenas agrupados na IX marcha, em defesa de TIPNIS. Se expressaram mostras de solidariedade popular de pacientes que exigem que o governo responda às exigências de salubridade. Porém, o vice-presidente Garcia Linera e o MAS chamaram os cocaleiros e setores próximos a se mobilizarem contra as justas reivindicações operárias e populares. Nesta campanha governamental já há mais de cem demitidos por fazer greves na saúde, assim como dezenas de processados judicialmente em uma tentativa de penalizar o protesto e amedrontar os trabalhadores em greve e os estudantes de medicina.

Viva a luta dos trabalhadores da saúde! Nem com a direita racista, nem com o governo que ataca os trabalhadores!

O MAS lançou uma feroz campanha a serviço da criminalização do protesto social, afirmando que a constituição garante a igualdade detodos os cidadãos deste país, e que busca terminar com os "privilegios", neste caso dos médicos que trabalhariam 6 horas por dia enquanto todos os demais trabalhamos 8 horas. Porém, o que o MAS não diz é que todos os trabalhadores da saúde afirmaram estar dispostos a trabalhar o que for necessário, mas que sejam incluídos na Lei Geral do Trabalho - como todos os bolivianos sem "privilégios". A esta demanda o MAS se opõe, mostrando com isso que sua exigência é parte de um plano preventivo de ajuste fiscal ante a tendência àqueda dos preços internacionais. Este ataque, se passar, será a ponta de lança para novos e maiores ataques aos trabalhadores assalariados. O governo do MAS trabalha para as transnacionais convertidas em "sócios", para que os banqueiros que multiplicaram seus lucros por 30 nos últimos 5 anos (como afirmaram os próprios jornais pró-governamentais) e para os empresários que mantém em condições de trabalho espantosas a dezenas de milhares de operários como nas fábricas têxteis, e entre os trabalhadores dos serviços. Lamentavelmente setores da burocracia com suas declarações ambíguas e a localização semi aristocrática não fortalece a luta ao se aproximar de partidos burgueses. A partir da LOR-CI afirmamos que intervir no conflito para potencializá-lo e fortalecer a unidade separando-nos claramente destes setores patronais que só querem novamente usar os trabalhadores. Há que lutar dentro das marchas e das greves contra os arrivistas e oportunistas.

Em direção àgreve geral indefinida? Por uma greve nacional da mineração!

O governo já afirmou que não derrubará o decreto, mas que as declarações de "suspensão" do mesmo é uma manobra que tenta ganhar tempo para logo efetuar esta anti-operária e neoliberal medida. De manter esta postura, a COB convocou a Cúpula Operária Nacional para o 14 e 15 de maio em Oruro que deve definir os passos a seguir. É fundamental que nesta cúpula se organize e se prepare como parte de um verdadeiro plano de luta uma grande e generalizada greve mineira, que mostre a unidade dos trabalhadores e se converta em um exemplo de luta para os operários, trabalhadores de serviços e que ponha novamente a classe operária àfrente de todas as reivindicações não só operárias como também populares e indígenas, como é a IX marcha do TIPNIS.

Cúpula operária deve por em marcha um Partido dos Trabalhadores baseado na COB

No último ampliado da COB se convocou a uma cúpula nacional em Oruro. Na mesma poderão participar diversos setores da COB e não só confederações e federações, mas apesar desta amplitude, esta cúpula não foi preparada desde as bases, mediante assembléias e a eleição de delegados revogáveis com mandato. É mais, em muitos setores esta convocatória ainda não se conhece. Estas são as debilidades desta cúpula, que pode ser um ponto de apoio graças àpresença dos setores mobilizados para estabelecer claramente as características da luta colocada com o MAS. Esta cúpula deve colocar claramente que não há "plano de reativação econômica nacional" como exige a petição cobista, sem expulsar as transnacionais, sem indenização e sob controle operário coletivo de todas as empresas, é necessário exigir a eliminação do fabuloso e milionário orçamento dos ministérios destinados àrepressão para por estes recursos àserviço da saúde e da educação operária, camponesa, indígena e popular. Os banqueiros ganham fortunas. Por que o MAS os protege? Há que exigir impostos progressivos às grandes fortunas e em especial aos banqueiros e empresários. Só com uma linha ativa de independência de classe, isto é, anti-patronal, se pode vencer. Já é totalmente evidente que a luta colocada, não só agora, mas desde a rebelião fabril de 2010, a luta é política, e os trabalhadores necessitamos de um instrumento de ação política como produto de apoio da mobilização e da luta. A cúpula de por em pé de forma imediata a comissão política necessária para organizar o Instrumento Político da COB, o Partido dos trabalhadores, que seja uma alternativa aos partidos empresariais que querem usar a luta operária, indígena e popular, mas também contra o MAS que demonstrou ser garantidor dos interesses burgueses no país. Só assim a independência política dos trabalhadores deixará de ser uma frase feita, para os ampliados e congressos, e se converterá em uma verdadeira ferramenta de combate pelos interesses operários e populares, e contra o poder das classes dominantes, hoje protegidas pelo MAS.

Abaixo os processos de todos os trabalhadores e estudantes reprimidos! Reincorporação imediata de todos os trabalhadores demitidos nos hospitais!

Dinheiro para o aumento salarial! Impostos progressivos às grandes fortunas, aos banqueiros e aos empresários!

Abaixo o Decreto 1126!

Viva la IX marcha de TIPNIS! Abaixo a lei 222!

Por um instrumento político dos trabalhadotes e da COB!

Comitê de Enlace LOR-CI e célula simpatizantes Cochabamba 9 de mayo del 2012

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo