Movimento Operário

SALÃ RIOS ATRASADOS PAGOS HOJE

Vitória da greve das trabalhadoras terceirizadas da CONSTRUIR!

22 Dec 2014   |   comentários

Após meses de atraso de salário e 13º salário e uma semana de greve, os trabalhadores da CONSTRUIR, empresa de limpeza terceirizada da UERJ e do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) conseguiram arrancar o pagamento de seus salários e direitos. Todas as dificuldades enfrentadas por estes trabalhadores foram responsabilidade do Governo Pezão, do REItor Vieralves da UERJ e desta empresa que forçaram esta (...)

Após meses de atraso de salário e 13º salário e uma semana de greve, os trabalhadores da CONSTRUIR, empresa de limpeza terceirizada da UERJ e do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) conseguiram arrancar o pagamento de seus salários e direitos. Todas as dificuldades enfrentadas por estes trabalhadores foram responsabilidade do Governo Pezão, do REItor Vieralves da UERJ e desta empresa que forçaram esta situação.

Passar semanas e meses sem receber salários é coisa comum para os e as terceirizadas da UERJ. Porém, essa situação só acontece com pela conivência do Sindicato do Asseio (o mesmo que deveria representar os garis da Comlurb) que permite aos empresários e àReitoria tratar os e as trabalhadoras com tamanho desrespeito e ilegalidade. Medidas mínimas que protegeriam o sagrado salário não são tomadas pelo departamento jurídico desse sindicato.

A confiança mostrada pelas trabalhadoras e o grande apoio que conseguiram de vários estudantes da UERJ, a partir da iniciativa tirada numa reunião da Gestão “Por todos os Amarildos†do CASS (Centro Acadêmico de Serviço Social), junto aos atos e ações de solidariedade foram fundamentais para tornar sua luta conhecida e conquistar seus direitos.

Nós, que estivemos presentes em cada piquete das trabalhadoras, passando o dia com elas, organizando atos e fechamos mais de uma vez a Rua São Francisco Xavier, agradecemos a presença de diversos estudantes do Serviço Social envolvidos nesta luta, ao CAPSI (Centro Acadêmico de Psicologia) que esteve presente e enviou cestas básicas para as trabalhadoras, o CAHIS (Centro Acadêmico de História), e também a vários estudantes de Letras, Direito, História e outros que de alguma maneira participaram e apoiaram.

Chamamos todos os que se solidarizaram com esta luta para nos organizarmos para continuar apoiando os terceirizados, inclusive porque ainda não foi confirmado o pagamento dos terceirizados da Navelle e Dinâmica e várias empresas já se acostumaram a desrespeitar os mínimos direitos dos e das trabalhadoras terceirizados. O REItor Veiralves, com seu costumeiro desrespeito aos interesses dos estudantes, professores e trabalhadores que fazem funcionar a UERJ. Infelizmente, se depender do reitor, dos empresários e do Asseio os estudantes, no retorno às aulas em janeiro, terão muito que fazer para garantir os direitos mínimos dos e das terceirizadas da UERJ.

Cacau, Desirrée, Faby,(coordenadoras do Centro Acadêmico de Serviço Social), Aretusa e Maria Carolina (estudantes de Serviço Social), Bárbara (estudante de Letras), Jean (estudante de Filosofia da UFRJ), Juan (mestrando na Universidade Federal Fluminense)

Artigos relacionados: Movimento Operário , Juventude , Rio de Janeiro , Universidade









  • Não há comentários para este artigo