Domingo 16 de Junho de 2019

Juventude

Luta política na construção do ENE/Conat em São Paulo

Vitória da Oposição na USP!

05 May 2006   |   comentários

No momento em fechávamos este jornal, a oposição ao DCE da USP obteve uma importante vitória política. O DCE desta universidade se negou, até o último momento, a levantar esta discussão entre os estudantes. Depois de duas assembléias e diversos debates impulsionados pela oposição, se viu obrigado a impulsionar uma assembléia e discutir a questão. Nessa assembléia, os grupos políticos do DCE, a APS/PSOL, que combate a Conlutas e a Conlute como divisionistas e prefere se aliar com todo tipo de governistas, fechou acordo com o MTL/PSOL que está organizando o Conat em algumas partes do país, para somente levar observadores a este. A política de manter os estudantes da USP àparte do Conat foi derrotada em toda a linha. A USP está levando 37 delegados, 27 pela oposição (15 movimento Lado B e 12 movimento A Plenos Pulmões e independentes) e o DCE apenas 11.

Apesar de dividida a oposição triunfou

A atuação conjunta do movimento Lado B (PSTU e independentes), do movimento A Plenos Pulmões, La Racaille, Resistência Popular, Negação da Negação (apesar destes irresponsavelmente boicotarem a assembléia do DCE) e independentes garantiu a delegação da USP ao Conat.

Isso apesar de que mais uma vez a política do PSTU levou a oposição na USP a se dividir. Os companheiros, inicialmente queriam votar os delegados numa plenária do Lado B e os outros que fizessem as suas. Descobrindo que isto não era possível, tentaram impor uma assembléia loteada, onde os delegados de cada setor da oposição fossem votados segundo a proporção de votos nas últimas eleições. Nesse critério o Lado B teria mais de 20 e nós apenas 1. Afirmando que isso era fugir da discussão política e que as eleições não expressaram o real peso dos setores da oposição nos negamos a aceitar a assembléia loteada. Isso levou a que fossem convocadas duas assembléias da oposição na USP!!! Hoje, a nossa posição se confirmou: 15 delegados do Lado B e 12 do movimento A Plenos Pulmões e independentes. Muito longe da proporção de 20 para 1 que os companheiros burocraticamente queriam nos impor.

A potencialidade de uma Conlute unificada no estado de São Paulo

Não negamos ter posições divergentes, como por exemplo, na greve da USP, Unesp e Unicamp ano passado, quando opinamos que o PSTU da USP teve uma política que se diferenciava da do PSOL apenas discursivamente. Porém nos dividimos não por nossas diferenças, mas pelo conteúdo mesquinho e auto-proclamatório da política do PSTU em São Paulo. Desde o início o PSTU afirma que nós não construímos a Conlute, somente eles.

Não compartilhamos de muitos pontos que o PSTU levantou nestes últimos dois anos, mas construímos sim a Conlute e a Conlutas em todos os lugares onde militamos e é fruto deste trabalho que estamos levando 17 delegados estudantis ao Conat.

A vitória da oposição na USP, mesmo dividida e a importante influência da Conlute na PUC/SP durante a greve deste ano, mostram a potencialidade da Conlute no movimento estudantil de São Paulo. Não negamos que em alguns momentos nestes últimos anos colocamos barreiras desnecessárias para uma unidade com o PSTU, porém nada justifica a política deste partido em dividir sistematicamente a Conlute. Já é hora de parar com as intrigas e com a mesquinharia política e de nos unificarmos para levar adiante a construção de uma alternativa para o movimento estudantil.

Artigos relacionados: Juventude









  • Não há comentários para este artigo