" />

Movimento Operário

REITORIA DA USP PAGA OS SALÃ RIOS ATRASADOS!

Uma primeira conquista na batalha estratégica pela efetivação dos terceirizados da USP

24 Apr 2011   |   comentários

Após 12 dias em greve, os trabalhadores e trabalhadoras terceirizadas da empresa UNIÃO, que presta serviços para a Universidade de São Paulo, conseguiram arrancar o pagamento dos salários do mês de março, mantendo sua greve até a próxima semana para garantir o pagamento de todos os outros direitos. O que se iniciou como um conflito salarial, ao elevar-se do patamar sindical ao patamar político, foi capaz de abrir uma importante crise na universidade questionando profundamente o papel que cumpre a terceirização do trabalho. Daí que conformou-se um grande movimento, que incluiu não somente centenas de estudantes, mas também renomados juristas, advogados e desembargadores de todo o país que assinaram por iniciativa do juiz do trabalho Jorge Luiz Souto Maior um “Manifesto Contra a Terceirização e pela Efetivação dos Terceirizados†.

O apoio estudantil, que cumpriu um papel fundamental em todo o conflito, foi aumentando a cada dia, desde os estudantes que nos corredores choravam ao ouvir os terceirizados contarem sobre as humilhações no local de trabalho, até os setores mais conscientes desta luta, como a juventude da LER-QI, que junto a dezenas de estudantes conformou um “Comitê Pela Efetivação dos Terceirizados†. O fato é que depois da luta da UNIÃO, a USP já não é mais a mesma. O tema da terceirização tomou o seu devido lugar e centenas de pessoas que consideravam a terceirização como uma boa saída para os serviços na universidade, passaram a rever suas posições e considerar que é necessário reverter este processo. Foi justamente por conta disso que a Reitoria foi obrigada a retroceder de sua posição de que “não podia fazer nada†jogando a responsabilidade do atraso dos salários nas costas da empresa UNIÃO, do Siemaco ou até mesmo da justiça. O pagamento dos salários, ou seja, da reivindicação mínima do movimento, foi a única forma de não permitir que esta luta explosiva ganhasse ainda mais corpo nas próximas semanas.

Com o lema “não é possível continuar estudando, trabalhando ou dando aula numa USP baseada na semi-escravidão†os terceirizados conquistaram um espaço distinto dentro da universidade, onde o Sintusp cumpriu um papel chave enquanto Sindicato combativo que luta contra as burocracias sindicais, mas também a presença de uma ala revolucionária no próprio Sindicato, que buscou contribuir com o programa dos revolucionários e a experiência da melhor tradição do movimento operário classista, para que, confluindo com a espontaneidade e radicalização destes trabalhadores, pudesse levar o conflito até a vitória. A conquista dos salários foi comemorada com muita garra pelos trabalhadores, mas sabendo justamente que esta não era a vitória final. Que a maior conquista foi justamente abrir de forma explosiva esta discussão na universidade, e agora trata-se de seguir na luta estratégica pela efetivação dos terceirizados, reorganizando todos os setores que se pronunciaram nesta luta e conquistando mais aliados pra impor esta derrota pra Reitoria e pro governo.

Num momento em que o governo Dilma sofre com o fenômeno das rebeliões operárias nas obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e que as burocracias sindicais negociam a demissão de mais de 6 mil operários em Jirau, nós da Liga Estratégia Revolucionária aportamos para transformar uma pequena luta por salário e melhores condições de trabalho numa grande batalha de classe, e é a partir destas posições que conquistamos dentro da Universidade de São Paulo que queremos ser vanguarda na construção de uma campanha nacional contra a precarização do trabalho, contra as péssimas condições de trabalho e pela efetivação de todos os terceirizados sem a necessidade de concurso público, para que as lições de cada luta operária possam ser parte de um plano estratégico contra a política da burguesia de dividir a classe trabalhadora entre efetivos, terceirizados, precarizados e temporários. O PSTU e a CSP-Conlutas deveriam estar na vanguarda deste movimento, ao contrário de fazerem parte da Comissão de Negociação com o governo que está servindo apenas para negociar as demissões de milhares de trabalhadores. Por tudo isto que neste 1º de maio devemos levantar muito forte a bandeira pela unidade das fileiras operárias! Viva a luta das trabalhadoras e trabalhadores da UNIÃO! Nenhuma demissão nas obras em Jirau! Por uma campanha nacional contra a terceirização e a precarização e pela efetivação de todos os terceirizados sem necessidade de concurso público!

Artigos relacionados: Movimento Operário









  • Não há comentários para este artigo