Juventude

PANFLETO DA JUVENTUDE ÀS RUAS e do grupo de mulheres PÃO E ROSAS NA UERJ

Todo apoio àgreve dos trabalhadores terceirizados da UERJ!

15 Dec 2014   |   comentários

Mais um ano em que os terceirizados da UERJ ficam sem receber no final do ano. A empresa Construir, a REItoria e o Governo do Estado se revezam jogando a responsabilidade uns nos outros.

Mais um ano em que os terceirizados da UERJ ficam sem receber no final do ano. A empresa Construir, a REItoria e o Governo do Estado se revezam jogando a responsabilidade uns nos outros. Os trabalhadores terceirizados do Hospital Universitário estão na mesma situação. Neste jogo no qual ninguém assume a culpa, os verdadeiros perdedores são os trabalhadores que são responsáveis por fazer a Universidade funcionar, os estudantes que sofrem diretamente com a sua precarização e a população que precisa ser atendida no HU.

Enquanto o REItor Viera Alves e o Governador Pezão preparam suas férias em casas de campo em Veneza ou em Piraí, os trabalhadores da empresa de terceirização Construir, da limpeza e dos elevadores, estão sem receber o mês de dezembro, sobrevivendo apenas com metade do décimo terceiro, arriscando a receber só no ano que vem! Além destes, os seguranças da empresa de terceirização Dinâmica também esperam o pagamento de dezembro atrasado, que pode ser que caia só no dia 24. Vão passar mais um Natal no sufoco!

Recursos é que não falta, o pagamento poderia muito bem ser resolvido se a REItoria não tivesse embolsado o dinheiro conseguido com o aluguel da UERJ para a FIFA durante a Copa, ou se o Governador Pezão não vetasse o repasse dos 6% do orçamento estadual destinado àUERJ e as demais universidades estaduais. Mas é óbvio que não podemos esperar nada disto de um governador miliciano e de um REItor que manda perseguir os estudantes e governa a universidade por decreto. Dizem não ter dinheiro para pagar os salários atrasados, mas a REItoria pagou mais de 100 mil reais em salários para funcionários fantasmas. Não respeitam os direitos dos trabalhadores ou dos e naturalizam que centenas de trabalhadores trabalhem de graça sendo pressionados pela empresa para não paralisarem e que a universidade fique em estado de calamidade.

REItor, pague imediatamente os salários atrasados!

Terceirização é a forma jurídica que os empresários encontraram de dividir os trabalhadores para abaixar os seus salários. Os terceirizados não têm nenhum direito trabalhista, os que fazem greve são demitidos ou enviados para outra área de serviço. A cor do uniforme os divide dos trabalhadores efetivos, são invisibilizados pela cor do crachá, como se estivessem na UERJ de passagem, quando na realidade fazem a mesma quantidade ou até mais trabalho do que os funcionários efetivos. Os postos de trabalho terceirizados tem altíssima rotatividade

Além disso, também os donos das empresas terceirizadas fazem um rodízio entre si: quando uma empresa entra com
um pedido de falência, rapidamente outro empresário assume aqueles empregados, sem que eles recebam os salários atrasados pelo antigo patrão. Por trás de cada troca de uniforme destes trabalhadores existe um calote de um serviço que prestaram sem receber, e a REItoria é conivente com isto.

Os estudantes devem apoiar incondicionalmente a greve dos terceirizados, porque somente com esta aliança poderão dar uma resposta consequente àCrise da UERJ. Afinal são os que fazem a Universidade funcionar, e por isso são os que detêm o poder de abri-la para o povo, e derrubar os seus muros. Não podemos aceitar a precarização do trabalho dentro da universidade, temos que lutar para acabar com as terceirizações e para que estes funcionários sejam incorporados ao quadro de funcionários sem concurso público, porque já demonstram que sabem cumprir suas funções.

As entidades estudantis tem a obrigação de apoiar ativamente esta greve, e pressionar a REItoria para que pague os salários e todos os direitos atrasados imediatamente! O Centro Acadêmico de Serviço Social esta buscando organizar os estudando para construir a solidariedade aos trabalhadores terceirizados, com passagens em salas, cartazes e por toda a universidade, panfletagens e está chamando um ato na segunda-feira as 18h no hall dos elevadores para mostrar a toda universidade que não aceitaremos o atraso nos salários. Precisamos que todas as entidades fortaleçam esse apoio e construam essa luta.

A precarização tem rosto negro e de mulher

Governos e patrões são cúmplices, se apoiam no racismo e no machismo para super-explorar o trabalho, negando qualquer direito trabalhista. Usam da opressão que estes trabalhadores enfrentam por ser na maioria mulheres e negros e por isso excluídos padrão para os empregos melhores, para lhes impor como chantagem a aceitação desta condição de trabalho super precarizada e semi-escrava. Estes trabalhadores são os que não podem usufruir da educação pública pois existe um funil social chamado vestibular e além disso, não são respeitados nem no direito básico de receber o salário pelo trabalho realizado.

A universidade tem que se responsabilizar por estes trabalhadores que prestam um serviço fundamental sem o qual ela não funciona, por isso exigimos que a REItoria pague estes salários! Além disso, o SINTUPERJ, que representa os trabalhadores efetivos da UERJ deve apoiar e defender estes trabalhadores, porque além de tudo a divisão da classe enfraquece ambos os lados, já que a super-exploração do trabalho dos terceirizados serve também a o Governo do Estado para que rebaixe o salário dos efetivos.

Os estudantes devem apoiar incondicionalmente a greve dos terceirizados. Os trabalhadores da Universidade são os únicos que podem dar uma resposta consequente àCrise da UERJ, porque são os que fazem a Universidade funcionar, e por isso são os que tem o poder abri-la para o povo, e
derrubar os seus muros.

Pagamento imediato dos salários atrasados, arcando a Universidade com a obrigação imediata!

Respeito aos demais direitos trabalhistas dos terceirizados!

Igualdade de direitos e salários entre terceirizados e demais servidores efetivos! Nenhuma

punição aos trabalhadores em greve! Incorporação de todos os terceirizados ao quadro de

servidores da Universidade sem necessidade de concurso!

TODOS AO ATO 15/12 – 18H HALL DO ELEVADORES UERJ

Artigos relacionados: Juventude , Rio de Janeiro , Universidade , Gênero e Sexualidade









  • Não há comentários para este artigo