http://ler-qi.org/spip.php?article3439]" />

Internacional

DECLARAÇÃO DIRETO DA ESPANHA

Tirem as mãos imperialistas de Repsol da Argentina e da América Latina

19 Apr 2012   |   comentários

Barcelona, 16 de abril de 2012

Na tarde de segunda, 16 de abril, hora espanhola, chegava o anúncio feito pela presidenta argentina, Cristina Fernández Kirchner (CFK), de tomar o controle de 51% das ações da YPF, todas elas pertencentes àespanhola Repsol. Esta foi, até o momento, a conclusão que o governo argentino vem mantendo nas últimas semanas com a principal multinacional petroleira espanhola. CFK assegurou que indenizara os acionistas da Repsol, utilizando inclusive o fundo que mantém as pensões dos trabalhadores argentinos, quando 80% deles ganham o mínimo, equivalente a cerca de 250 euros. Não é de se estranhar se tomamos em conta o compromisso histórico dos Kirchner com as políticas de entrega ao imperialismo que impôs o governo Menem, das que têm sido fiéis continuadores. Nos anos 90 foi o mesmo Néstor Kirchner quem fez lobby a favor das privatizações e provincianização dos recursos petrolíferos, isto é, a venda da mesma YPF.

Ainda assim, apesar da medida estar longe de constituir uma verdadeira “expropriação†, a ofensiva imperialista do Governo, da oposição e dos meios de comunicação espanhóis foi redobrada. Os ministros da Indústria e do Exterior passaram diretamente a ameaças de sanções e represálias. Já o Rei está perdido em Botswana caçando elefantes junto a um punhado de milionários enquanto se desenrola esta crise, e a nota de risco da dívida disparava. Sem dúvida, esta semana está sendo verdadeiramente crítica para o capitalismo espanhol. A ofensiva dos mercados não para, mesmo Rajoy cumprindo a risca todos os ajustes contra os trabalhadores que exigem a UE, "Merkozy"(referencia a dupla da Alemanha e França, Angela Merkel e Nicola Sarkozy), o BCE e o FMI. Sua decadênica começa a “animar†inclusive a governos antes fiéis e submissos, como o de CFK na Argentina, a tomar decisões que supõem toda uma humilhação a um imperialismo que esta retrocedendo na arena internacional. No entanto, a aventura do Rei na sua caçada não é mais que um sinal a mais desta decadência, mostrando o pior dos bourbons, embelezados em luxos e entretenimentos excêntricos enquanto a crise do capitalismo espanhol deságua em todo lugar.

A este coro reacionário se somou desta vez a mesma burocracia sindical, por meio dos porta vozes da Federação Química da CCOO e a seção sindical da Repsol da UGT. Seu alinhamento com a patronal imperialista espanhola é uma mostra mais de que lado estão estes burocratas vendidos. Defendem os interesses dos mesmos patrões que mantém milhares de trabalhadores precarizados nas refinarias espanholas, são parte das cenas com Zapatero e Rajoy para ditar os ajustes e que em 2003 foram responsáveis pela morte de 9 trabalhadores no dramático “acidente†de Puertollano. Sem espaço para dúvidas que estes “estômagos agadecidos†são os agentes da patronal imperialista nas fileiras do movimento operário.

A oposição não ficou pra trás. Os partidos da burguesia catalã e vasca se alinharam com o Governo, assim como o PSOE que com Felipe González primeiro e Zapatero depois, foi um grande “ator†do avanço imperialista espanhol sobre a América Latina. Inclusive o rechaço a política do Governo que fez IU(Izquierda Unida) por meio de seu deputados Alberto Garzón – membro da ala reformista do 15M – não rompe com o mesmo chauvinismo que critica, pois o argumento que coloca é que a Repsol só tributa 25% de seus lucros ao Estado espanhol e mais da metade do seu capital pertence a acionistas não espanhóis. Isto é, que se a Repsol fosse 100% espanhola e todos seus lucros se tributassem aqui, estaria bem defender o espólio imperialista que realiza.

Faz mais de duas décadas que a Repsol têm uma política de espoliação dos recursos, sem sequer inverter na exploração de novas reservas, contribuindo para que a Argentina não possa sequer cobrir suas necessidades energéticas. Enquanto tem embolsado lucros milionários, só contando do ano de 2008, Repsol distribui lucros de 18.628 milhões de pesos entre seus acionistas (quase 4.000 milhões de euros). Desta verdadeira política de saque são cúmplices o governo argentino e provinciais, inclusive permitindo aumento nos preços da gasolina da Repsol-YPF e estabelecendo um sistema de subsídios com a expectativa de promover inversões que nunca ocorreram.

As palavras de Léon Trotsky sobre a atitude do imperialismo britânico em relação ao petróleo mexicano são ilustrativas e podem aplicar-se para descrever os negócios do imperialismo espanhol na Argentina como em muitos outros lugares da América Latina, mas tendo em conta que Repsol é a única petroleira do mundo que não explora petróleo dentro de suas fronteiras nacionais: “Uma pequena camarilha de magnatas estrangeiros, suga, em todo o sentido da palavra, o sangue vital tanto do México, como de uma outra série de países atrasados ou débeis. Os discursos solenes acerca da contribuição do capital estrangeiro à“civilização†, sua ajuda ao desenvolvimento da economia nacional, representam, na realidade, o mais claro farisaísmo. A questão, na realidade, diz respeito ao saque da riqueza natural do país. A natureza precisou de muitos milhões de anos para depositar no subsolo mexicano, ouro, prata e petróleo. Os imperialistas estrangeiros desejam saquear estas riquezas no menor tempo possível, fazendo uso de mão de obra barata e da proteção da diplomacia e de sua frota†( Leon Trotsky, As expropriações mexicanas do petróleo, 14 de maio de 1938).

Desde o Classe contra Classe nos pronunciamos energicamente contra o espólio que multinacionais como a Repsol realizam na América Latina, contra a campanha chauvinista que os meios de comunicação e todo o Regime espanhol – desde o governo até a burocracia sindical – estão lançando em defesa dos interesses dos capitalistas espanhóis. Os trabalhadores e o povo do Estado espanhol nada têm em comum com os patrões da Repsol e o resto das multinacionais. Os mesmo que espoliam nossos povos irmãos são os que estão agora por meio de “seu†governo lançando a maior ofensiva contra nós desde a ditadura. Os mesmos que defendem com unhas e dentes os interesses privados da patronal no exterior e no interior, são que estão destruindo todo o público no Estado espanhol. Não há mais que ver quem são os “defensores da Repsol†. O governo que nos ataca – PP -, seus sócios parlamentares – CiU e PNV -, o partido que começou a atual ofensiva contra os trabalhadores – PSOE -, a burocracia sindical que contêm e trata de paralisar a lutas operárias...e por conseguinte a patronal, a banca e o rei herdeiro de Franco.

Cremos que os trabalhadores e os jovens dos Estado espanhol devem lutar contra nosso próprio imperialismo, contra um governo que “não nos representa†. Unir nossas justas reivindicações contra o desemprego, os ataques a nossos direitos e salário, o desmantelamento da saúde e educação...com as justas aspirações dos trabalhadores e povos dos países espoliados para expulsar as mãos sujas das multinacionais européias e norte-americanas de seus países. Temos que entender como nossa a luta pela devolução de todos os recursos e infra estruturas que espoliam os países semi-coloniais onde operam as multinacionais espanhola. Devemos lutar pela sua nacionalização sem indenização e sobre controle dos trabalhadores, para poder por fim a tal espólio e encorajar e apoiar também a luta dos trabalhadores contra o imperialismo e suas burguesias submissas. Não se trata só da Repsol, mas são muitos os tentáculos imperialistas espanhóis que estão sugando a América Latina, à frica e à sia, como a Telefônica, o BBVA, Santander, Iberdrola, Acciona, FCC...

Esta luta será o melhor apoio ativo a luta dos trabalhadores destes países, para conseguirem verdadeiras nacionalizações sem indenização alguma e sob controle e gestão dos trabalhadores. A única alternativa que poderá por todos seus recursos econômicos a serviço da classe operária e do povo. Ao mesmo tempo os avanços de nossos irmão dos países semi-coloniais para minar as bases do imperialismo espanhol será por sua vez uma alavanca na nossa luta para acabar com o Regime de 78 e o capitalismo espanhol, que não tem nada de bom a oferecer aos trabalhadores, a juventude e os setores populares daqui.

Fazemos um chamado a todas organizações operárias, aos grupos e partidos de esquerda, aos grupos e assembléias do 15M, as assembléias estudantis e demais coletivos e organismos dos lutadores do Estado espanhol a contestar ativamente a reacionária campanha imperialista alimentada pelo Regime e assumir estas bandeiras internacionalistas como nossas.

Fora com as mãos imperialistas espanholas da América Latina!

Classe contra Classe, grupo irmão no Estado espanhol da LER-QI e membros da Fração Trotskista – Quarta Internacional

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo