CULTURA

Tim Maia e Roberto Carlos

07 Jan 2015   |   comentários

Na última semana a rede Globo veiculou a minissérie “Tim Maia, Vale o que Vier†de dois capítulos sobre a vida do músico e cantor baseada no filme “Tim Maia†que conta sua história. A série excluiu trechos do original e incluiu entrevistas e declarações, mudando inclusive a sequência de acontecimentos

Para manter uma ideologia que norteia a sociedade é necessário não só o monopólio dos veículos de comunicação, como editoras, redes de televisão, rádios etc., como garantir que opiniões e pontos de vista divergentes sejam neutralizados. Não é diferente com a arte e seus ícones.

Os monopólios da comunicação são responsáveis por elencar, construir e legitimar, segundo o que lhes é mais vantajoso, o que é a “boa†ou “má†arte; constroem, desconstroem e modificam ícones, formas e conteúdos. Assim foi com a biografia de Tim Maia.

Na última semana a rede Globo veiculou a minissérie “Tim Maia, Vale o que Vier†de dois capítulos sobre a vida do músico e cantor baseada no filme “Tim Maia†que conta sua história. A série excluiu trechos do original e incluiu entrevistas e declarações, mudando inclusive a sequência de acontecimentos. Com isso a Globo deu um sentido totalmente diverso a biografia, entre outras coisas, modificando a história da relação entre Roberto Carlos e Tim Maia.

No filme Tim Maia é desprezado por Roberto Carlos. A série descaracterizou esse aspecto da obra, inclusive colocando depoimentos do próprio Roberto Carlos dizendo que eram amigos e que não existiam contradições entre eles.

Roberto Carlos é colocado como o herói que trouxe Tim Maia para a fama, o que causou revolta de fãs e pessoas próximas ao artista. Até mesmo o diretor do Filme, Mauro Lima, chegou a sugerir pelo Instagram para que aqueles que não tiveram acesso ao filme não assistissem a série!

à cone Branco X à cone Negro

Esse episódio mostra como é necessário para a indústria cultural defender seus ícones, assim como gêneros musicais e certas formas de se fazer e consumir arte, em detrimento de outros. No caso a defesa de um artista branco ligado aos seus interesses em detrimento de um artista negro.

Tenta-se moralizar Roberto Carlos como a mão branca que vem em ajuda ao artista negro de vida conturbada e com talento, mas que sem apoio não alcançaria sucesso. Constrói mais uma vez a caricatura do negro de deve ser ajudado.

No entanto foi Roberto Carlos que mais se valeu da indústria cultural para fazer e manter seu sucesso, inclusive com contratos milionários com a Globo; diferente do chamado “Rei Roberto Carlos†Tim Maia foi um dos primeiros artistas a tentar abrir uma gravadora independente no Brasil para ter controle sobre suas criações, processou diversas vezes a Rede Globo por uso de suas produções. É um dos cantores mais importantes do Brasil, não somente por ser um artista negro, mas, sobretudo, por sua música carregada com a musicalidade negra norte americana, sem que perdesse sua autenticidade.

Tim Maia era um cantor negro de voz forte e marcante, sua vida foi marcada por tropeços, desvios e trajetória tortuosa, suas declarações sarcásticas, irônicas e marcantes; muito diferente do ícone branco doce e amável, bem educado e religioso, que faz especiais no fim do ano cantando músicas que falam de santos.

Ao ícone branco nenhuma mancha pode ser atribuída, nenhuma imoralidade, nenhum erro. Para mantê-lo são necessárias falsificações e a manipulação.

O Racismo e a Globo

A degeneração, banalização e falsificações de ícones negros não são novidades na Globo. Em vários programas, quando o negro não é mostrado abertamente de forma vexatória, como em “Zorra Total†, ou mesmo como uma mercadoria sexual, como é o caso da escolha da “Globeleza†, é construída uma imagem subserviente e dependente do negro.

Na maioria das vezes é mostrado como digno de pena ou como aquele que aceita a opressão docilmente como foi mostrado em um episódio de “Sexo e as Negas†(série machista e racista do nome ao conteúdo) dedicado a falar contra o preconceito e “homenagear†ícones negros uma personagem vítima de preconceito acaba transando com seu agressor.

A série sobre Tim não foge a regra. A Globo modificou a obra original em benefício de seu artista contratado, mas acima de tudo em nome da dominação e do lucro.

Fontes:

http://www.geledes.org.br/nao-comemore-que-uma-globeleza-foi-trocada-por-uma-mulher-negra-que-globo-acha-bonita/#axzz3OA7d7lBW
http://extra.globo.com/famosos/globeleza-nayara-justino-entra-em-depressao-diz-sofrer-racismo-de-internautas-apos-saber-que-vai-perder-posto-14277668.html
http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/2015/01/03/diretor-do-filme-tim-maia-pediu-aos-fas-para-nao-verem-a-serie-da-globo/
http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2015/01/diretor-de-tim-maia-esclarece-critica-a-rede-globo-4675354.html
http://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/televisao/biografo-de-roberto-carlos-critica-minisserie-de-tim-maia-aberracao-6155
http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/2015/01/06/produtor-do-filme-tim-maia-aprova-versao-da-globo-valoriza-o-produto/
http://revista.cifras.com.br/artigo/distorcida-minisserie-televisiva-sobre-tim-maia-coloca-roberto-carlos-como-heroi-e-recebe-criticas_10317

VIDEOS:
https://www.youtube.com/watch?v=Vm_AWfY88AA
https://www.youtube.com/watch?v=HBatSgAcE4I









  • Não há comentários para este artigo