Nacional

RACISMO E A LUTA NEGRA

Sobre bananas e macacos

08 May 2014   |   comentários

Por: Aguiar X

Mais uma vez nos deparamos com um caso de racismo no esporte, assim como nos outros casos nos parece que a moral “olímpica†ou “esportiva†dá lugar aos valores burgueses hegemônicos em nossa sociedade. Nada de novo, afinal, é em base a uma sociedade burguesa que nossa cultura, incluindo os esportes modernos, é criada, transformada e consumida.

GIF - 83.2 KB

Em uma partida de futebol valida pelo campeonato espanhol uma banana foi atirada na direção do jogador do Barcelona Daniel Alves a polemica dessa vez se deu em torno de duas questões a primeira foi resposta do jogador que pegou a banana e comeu, a atitude do jogador foi enormemente elogiada por toda a mídia burguesa a mesma fez todo o esforço para ocultar outros casos como a dos jogadores Yaya Toure e Boateng, os dois foram atacados com cânticos racistas o primeiro prometeu organizar um boicote de jogadores negros ao mundial de 2018 na Rússia pais onde ocorreu a partida, o segundo chutou a bola em direção dos torcedores racistas e saiu de campo parando a partida. A reposta dada pelo jogador do Barcelona é a que nos ensinam socialmente a dar, sempre descobrimos que somos negros pela negativa não atoa estamos sempre na defensiva e quando sofremos com uma ação racista como no banco ou quando procuramos trabalho a reposta normal é engolir a banana e continuar vivendo. Atitudes como as de Yaya e Boateng vão àcontra mão do normal e são essas respostas que a burguesia tem medo porque se o jogo parar os lucros exorbitantes despencam e uma partida de futebol parada por causa do racismo gera discussao que são contrarias ao interesse burgues. segunda polemica foi que o ato de Daniel Alves engatilhou uma campanha encabeçada por seu companheiro de clube e seleção Neymar intitulada #SomosTodosMacacos compartilhada por vários famosos comendo bananas. A burguesia ecoou a campanha aos quatro ventos, atores globais tiraram fotos comendo bananas e alguns até vendiam camisetas com o slogan. A logica aqui é a mesma, trata-se de uma resposta que não questiona o racismo a comparação entre negros e macacos se balizam em uma concepção Racista, onde na evolução biológica os negros estariam em uma escala evolutiva inferiores aos brancos, próximo aos macacos. Esse tipo de comparação não é novidade, vide o caso de Ota Benga, pigmeu africano que foi colocado em um zoológico no Bronx em 1904 junto aos macacos para ser exposto como uma atração, na qual tinha que carregar um orangotango como se fosse seu filho e que, ao saber que não seria liberado, cometeu suicídio, aos 32 anos. Campanhas como #SomosTodasClaudia ficaram a margem da mídia burguesa é por isso que a identidade do povo negro tem que ser construída reivindicando a historia de luta dos escravos insurretos como os de palmares, Não Somos Todos Macacos nós somos ZUMBI.

O Brasil é um pais racista, basta olhar e ver qual o lugar socialmente que os negros ocupam, é o racismo mostrando sua face na cara dura, amontoados nos morros sem saneamento básico, fazendo viagens de 3 horas diárias para trabalhar recebendo salários miseráveis até adoecer sem assistência medica e morrer, isso é o normal se no caminho do trabalho não encontramos a policia. Essas são as condições dos negros historicamente e que se reproduzem sob o governo do PT, que já não consegue esconder sua politica racista de precarização do trabalho. É necessário combater o racismo com os métodos e organismo da classe trabalhadora.

Assim como nossos ancestrais fizeram, não aceitaremos o papel que a sociedade de classes nos impõe, nos levantaremos com a moral dos pretos guerreiros de palmares para combater o racismo.
Por isso chamamos todos os negros e negras a construir conosco uma ala do movimento negro classista que rompa com a lógica assistencialista e da "miséria do possível", se colocando como um setor revolucionário, classista e combativo na luta contra o racismo e da exploração do homem pelo homem.

#NãoSomosMacacos #SomosTodosZumbi

JPEG - 25.1 KB

Artigos relacionados: Nacional , Debates , Questão negra









  • Não há comentários para este artigo