Palavra Operária nº075

CONTATO ler-qi@palavraoperaria.org

Internacional

PANAROMA INTERNACIONAL

A Primavera à rabe Prossegue

Por: André Augusto Os processos que combinados fizeram tremer o solo do Magreb e do Oriente Médio na primavera árabe prosseguem. Nesta fase, encontramos os levantes populares – tingidos de espontaneidade e alta radicalização – num momento difícil: as massas insurgidas contra os efeitos objetivos desastrosos do impacto da crise econômica mundial estão experimentando a fúria das instituições burguesas que regeram o país a sangue e fogo e que foram sempre vassalas do (...)

NOTAS PARA UM BALANÇO DO SEXTO CONGRESSO DO PC CUBANO

Concessões ao “mercado†e ajustes no regime

Por: Eduardo Molina O Congresso parece ter significado um êxito político relativo para Raul e sua equipe ao aprovar sem maiores debates (como era esperado) o plano econômico dos “Alinhamentos†, votar algumas mudanças políticas para impor sua aplicação e conseguir uma composição favorável na cúpula do PC para o bloco dos militares e tecnocratas no qual se apoia. AONDE VAI A LIT COM SUA POLà TICA DEMOCRATIZANTE?

ARGENTINA: SE FORMOU A FRENTE DE ESQUERDA E DOS TRABALHADORES

“Pela independência política dos trabalhadoresâ€

No dia 14 de Abril, em Buenos Aires foi anunciada a Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, conformada pelo PTS, PO e Izquierda Socialista. Abaixo apresentamos um extrato da fala de Christian Castillo (dirigente do PTS) feita no lançamento da frente.

DEBATE COM A LIT-QI

Aonde vai a LIT-QI com sua política democratizante?

Por: Graciela López Eguía A LIT rompeu com o programa trotskista de revolução política. Como decidiu dar como fato consumado há anos o retorno à ordem burguesa, o que é um processo inacabado, não pode propor um programa correto para enfrentar o programa real da burocracia governante, expresso na plataforma recém aprovada pelo Congresso do PCC...

Nacional

AS “RELAÇÕES PERIGOSAS†DA IMPRENSA BURGUESA COM A LUTA DE CLASSES

Moralismo criticista e crítica moralizante

Por: André Augusto Parafraseando Saint-Simon, a cada capacidade segundo suas obras. Vemos que a inspiração continua a mesma. No editorial do jornal “Diário de SP†, pertencente ao conglomerado midiático O Globo, encontramos a expressão literária daquilo que terça-feira nós, estudantes da USP, Unesp e Unicamp, juntamente com o Sintusp e as bravas trabalhadoras e trabalhadores terceirizados da USP, tirávamos das lixeiras da FFLCH e atirávamos ao chão de todo o pavilhão do prédio, a saber, a sujeira insaneável da (...)

EDITORIAL

Diversos canteiros de obras e terceirizados se levantaram: construamos uma grande campanha contra a precarização do trabalho e pela efetivação dos terceirizados.

Por: Leandro Ventura No final de março e durante o mês de Abril cerca de 200 mil trabalhadores cruzaram os braços em todo o país. Sua ampla maioria eram trabalhadores precários, terceirizados e em regimes de semi-escravidão. O que estas verdadeiras revoltas operárias com o incêndio de alojamentos e ônibus em Rondônia e uma verdadeira subversão dos papéis na USP tinham em comum?

DIREITOS HUMANOS

Basta de silêncio sobre nossos torturados, mortos e desaparecidos

Por: Flávia Valle Completados 47 anos da ditadura militar o Brasil continua sendo o país da impunidade, da tortura e do esquecimento. Sem grandes atos contrários aos crimes da ditadura no governo da ex-guerrilheira, o que continua se expressando no governo de Dilma é o silêncio, o pacto em relação aos crimes políticos cometidos pelo estado durante os anos de chumbo e todo jogo sujo para a manutenção da reacionária Lei da Anistia, que coloca um sinal de igual entre torturadores e (...)

“NÃO ESQUECEMOS A DITADURA, ASSASSINATOS E TORTURASâ€

A LER-QI na Luta Contra a Ditadura Ontém e Hoje

No dia 1° de Abril a LER-QI realizou um importante ato para lembrar os 47 anos do golpe militar no Brasil pelo resgate a memória, a verdade e, sobretudo a justiça, exigindo o fim da impunidade aos torturadores. O ato contou com mais de mais de 250 pessoas, entre professores, metroviários, trabalhadores da USP e com importantes delegações de estudantes e jovens operários e estudantes de Franca, Marília, Rio Claro, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo e Santo (...)

NACIONAL

Jirau e os conflitos do PAC

Por: Francisco Pontes No último mês, o Brasil-potência, tão belo e justo como tentam nos vender, teve sua imagem um pouco modificada. Mãos calejadas resolveram deixar claro o que são suas vidas e a realidade desse país. Após a imagem do fogo dos ônibus, escritórios e dos alojamentos em Jirau, aparecia entre a fumaça as verdadeiras causa do incêndio: trabalhadores com jornadas das 7 as 22 horas, ficando até 5 meses sem ver a família; malária, dengue, mortes eram coisas (...)

Movimento Operário

MOVIMENTO OPERÃ RIO

A grande luta dos terceirizados da USP e um novo momento na batalha pela efetivação

Por: Diana Assunção , Marcelo (Pablito) Santos, diretor do Sintusp Ninguém esperava, muito menos a Reitoria, que do “subsolo†da Universidade de São Paulo emergeria uma das mais combativas lutas dos últimos anos: foram os trabalhadores e trabalhadoras terceirizadas da limpeza que tomaram conta das capas de jornais e fizeram a Reitoria tremer.

Venha para o bloco “Por um 1º de Maio contra a precarização e pela efetivação dos terceirizados. Somos todos José Ferreira da Silvaâ€

1º de maio em São Paulo: leia a declaração da LER-QI. Venha marchar conosco: concentração às 9 horas no Pateo do Colégio.

PROFESSORES

Lutemos por uma chapa classista para a Apeoesp

Por: Márcio Barbio , Rita Frau A Corrente PELA BASE (LER-QI e independentes), embora seja a mais nova em nossa categoria já se encontra presente em 6 subsedes e acumulamos experiências significativas, dando uma importante batalha em defesa de um programa e de uma prática nova na categoria de professores. Desde a greve de 2010, temos defendido um programa que tem como eixo a reunificação da categoria, o que passa por uma forte campanha pela unificação de nossas fileiras. Isso só pode se dar pela efetivação de todos os (...)

Juventude

LUTAR POR OUTRO PROJETO DE UNIVERSIDADE!

11 de maio: Construir uma jornada unificada de lutas em toda a UNESP!

Por: Adriano Favarin, estudante da UNESP/Franca , Ana Carolina Há anos o Governo de São Paulo (PSDB) coloca em prática uma série de medidas para a educação pública que perpetuam a falta de acesso de toda a população à educação ou acabam com a qualidade do ensino. Na UNESP, essa condição não é diferente e torna-se cada vez mais latente o esgotamento dessa política. As manifestações pelos diferentes campi proliferam.

JUVENTUDE

“As vestes poeirentas de nossos dias, cabe a ti, juventude, sacudi-las.â€

Essas palavras de Maiakovski sintetizam o espírito que se abre na juventude junto a novos processos da luta de classes em todo o mundo e que demonstram o solapamento irrefutável de todo o lixo ideológico burguês que nos últimos 30 anos buscou criar uma juventude dócil, cética e arrefecida. A esta tentativa de criar uma “juventude perdida†criada pelo “fim da história, das classes, das lutas e da mudança†, não há mais espaço no (...)

Venha fortalecer o Comitê de Luta Contra a Terceirização e pela efetivação dos terceirizados

Com o objetivo de dar prosseguimento ao apoio aos trabalhadores da União e todos os terceirizados que queiram lutar, e para assumir a tarefa de lutar seriamente pela efetivação, foi construído um comitê para dar continuidade a essa luta.

No “Brasil potência†de Lula e Dilma a juventude começa a questionar o insustentável peso das contradições

pesar de todo o discurso ideológico do qual o governismo e a mídia burguesa se utilizam para criar uma imagem de que tudo no Brasil avança gradual e constantemente, a idéia de um país de bilionários, do etanol, do gado, com um crescimento “nunca antes visto na história†, sendo o grande anfitrião da Copa do Mundo e das Olimpíadas, tema de filmes de Hollywood e contando com o primeiro presidente operário e da primeira presidente mulher, tudo isto, em contraste com o país real da miséria, da falta de (...)

AVANÇA O PROCESSO DE REPRESSÃO AOS QUE LUTAM POR UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA, GRATUITA, PARA TODOS E SEM OPRESSÕES!

Colocar de pé uma ampla campanha contra a repressão!

Por: Daniel Bocalini, estudante da Unesp de Marília Precisamos nos unificar, estudantes, professores e trabalhadores da USP, UNESP e Unicamp, para colocarmos de pé uma forte campanha contra a repressão nas universidades e derrotarmos juntos, todos esses ataques e construirmos um outro projeto - uma universidade pública, gratuita, de qualidade, aberta e voltada para toda a população – que se contraponha pelo vértice a essa universidade elitista, racista e excludente dos Reitores e do governo do Estado! 11 DE MAIO: CONSTRUIR UMA JORNADA UNIFICADA (...)