Palavra Operária Nº 055

CONTATO ler-qi@palavraoperaria.org

Nacional

DIA NACIONAL DE MOBILIZAÇÃO

30 de março: por uma política independente dos patrões e do governo

Defendemos nas reuniões da Conlutas e insistimos até o último momento na necessidade desta central organizar um bloco independente da CUT e demais centrais sindicais neste dia 30 de março. Um bloco que levante um programa alternativo, que reivindique o exemplo dos petroleiros, que coloque no centro nas mobilizações a luta para barrar as 4.270 demissões na Embraer e exija sua estatização sob controle dos trabalhadores. Um bloco que denuncie a política de conciliação de classes da CUT, CTB, Força (...)

PLANO HABITACIONAL DE LULA

Muita propaganda para poucos efeitos práticos

Como disse em entrevista à revista Exame o professor da Fundação Getulio Vargas, Francisco Barone, que apóia o projeto do governo, o foco do não está na extinção do déficit habitacional, pois “o problema do déficit habitacional é algo sem solução, e essa é a lei do capitalismo. É preciso que haja escassez para que o bem tenha valor.â€

FRENTE AO ATAQUE DO GOVERNO E DOS CAPITALISTAS:

Impulsionar uma ampla campanha pela defesa incondicional do MST

Durante o governo Lula se multiplicaram as milícias formadas pelos jagunços do agronegócio e os assassinatos de camponeses pobres. Quando os camponeses de Pernambuco, em legítima defesa, reagiram aos ataques na mesma moeda e quatro dos capangas contratados acabaram morrendo, toda a burguesia, seus representantes e seus porta-vozes da grande mídia, levantaram as vozes indignados e iniciaram uma nova ofensiva reacionária contra o movimento (...)

REFORMA AGRÃ RIA

A crise econômica dará novo vigor àluta pela terra

Por: Thiago Flamé No front ideológico dessa longa batalha, os setores mais reacionários da classe dominante brasileira querem fazer os que lutam pela reforma agrária aparecerem como representantes do atraso, enquanto o agro-negócio seria o agente do progresso e da prosperidade. A demanda de terra seria anacrônica, visto a grande produtividade do latifúndio moderno e o único problema a resolver seria o do (...)

HÃ 44 ANOS DO GOLPE MILITAR

Os “anos de chumbo†e a Folha de São Paulo

Por: Michel Silva Duas coisas ninguém sinceramente negará: a oportunidade do movimento de 31 de março, que em tempo deteve a acelerada marcha do país para a anarquia, e o saldo favorável que a Revolução apresenta, ao fim de um ano caracterizado por não poucas dificuldades. (Folha de São Paulo, Editorial, 31 de março de 1965)

Movimento Operário

REFLEXÕES SOBRE A GREVE DOS PETROLEIROS, APRENDENDO COM O PASSADO

Algumas lições para o futuro da luta operária

Por: Val Lisboa As lições da greve petroleira de 1995 precisam ser retomadas para reavivar na memória dos mais velhos e acender nas mentes dos operários e operárias jovens a grande força que podem dispender os bastiões proletários que controlam toda a cadeia de produção capitalista, sem os quais esse sistema não funciona. Os partidos que nos consideramos revolucionários temos a obrigação de tecer esses fios de continuidade para que os trabalhadores não tenham que começar tudo de novo, como se começasse sempre do (...)

A GREVE DOS PETROLEIROS

Um claro sinal: que os capitalistas paguem pela crise

Os petroleiros de todo o país deflagraram greve de ao menos cinco dias desde o dia 23 à meia-noite. A maior parte das refinarias, plataformas e terminais do país paralisaram ou operaram de forma reduzida através de “equipes de contingência†(nome jurídico para equipes de fura-greves). Esta greve que segue a greve da Replan ocorrida ainda neste mês já se mostrou a maior desde ao menos 2001, deixando claro que esta importante categoria não se deixou curvar perante as ameaças da (...)

GREVE PETROLEIRA

Entrevista com B trabalhador da Petrobrás de São Caetano do Sul.

Burocraticamente, a direção dos sindicatos levou a greve de forma verticalizada, procurando não envolver a base nas decisões (como com um comando nacional unificado desde cada unidade operacional e administrativa) - o que evitaria que o movimento fugisse do controle da direção, além de não buscar ampliar nossa luta para o conjunto da sociedade.

ELEIÇOES NO SINDICATO DOS METALURGICOS DE SAO JOSÉ DOS CAMPOS

Categórico triunfo da Chapa 1 da Conlutas

Por: Maíra Viscaya Em primeiro lugar é necessário assinalar que nessa eleição ficou provado que os trabalhadores tem respaldo naqueles que se propõem a lutar contra as demissões. Cada voto na Chapa 1 representou um apoio de cada operário metalúrgico de São José que votou contra as direções burocráticas da CUT e da Força Sindical que vem defendendo em todo o Brasil a redução de salários e direitos, para que os trabalhadores arquem com uma parte da crise capitalista em (...)

Universidade

CRISE DAS FACULDADES PARTICULARES

Que os capitalistas paguem pela crise com seus lucros!

Por: Rui Tresso Desde o ano passado as mobilizações universitárias que tomaram as páginas dos jornais não foram nas públicas, mas sim nas particulares. Trata-se de um fato novo, provocado pela crise que atingiu especialmente aquelas que, para poderem concorrer no “mercado da educação†, apresentam péssimas condições de ensino, com trabalho de professores e funcionários precarizados e mensalidades altíssimas para a juventude trabalhadora, como a São Marcos e a UNISA em São Paulo, e Gama Filho, Cândido Mendes e (...)

Internacional

CRISE CAPITALISTA

“Novo†pacote de Obama: dinheiro por lixo

Por: Simone Ishibashi O pacote anunciado por Obama e seu secretário do tesouro, Timothy Geithner, apesar de todas as tentativas de surgir como algo novo é uma reedição do elaborado no final de 2008 após o estouro da crise nos EUA pelo então secretário do tesouro de Bush, Henry Paulson.

MOBILIZAÇÃO DE MASSAS NA FRANÇA

Uma grande jornada de greve de todos os setores, que põe as direções sindicais sob pressão

O convite de todas as centrais sindicais para um dia de ação na quinta-feira de 19 março foi seguido massivamente pelos trabalhadores. De acordo com as direções sindicais, 3.200.000 pessoas participaram nas manifestações. Isto não só é superior ao número das manifestações de 29 de janeiro, em que os sindicatos tinham contabilizado 2.500.000 manifestantes, como é simplesmente um número histórico, uma vez que ultrapassa o de 2006 das manifestações contra o CPE, que foi o mais alto desde Maio de (...)

MOBILIZAÇÃO ESTUDANTIL

Tomemos em nossas mãos O exemplo de luta contra o Plano Bolonia no Estado Espanhol

Por: Natália Viskov A crise vem acelerando a experiência do movimento estudantil e da juventude, que se organiza em distintos lugares do mundo. A juventude grega se levantou contra o governo de Karamanlis no final do ano passado, desatando uma revolta social que foi fruto da crise mundial. Na França, os estudantes e trabalhadores se mobilizam contra os planos de Sarkozy de descarregar a crise em suas costas. Na Itália, na Alemanha e no Estado Espanhol os estudantes se alçam contra o Plano Bolonia. Neste último (...)

Direitos Humanos

ENTREVISTA

O Centro de Profissionais pelos Direitos Humanos vem ao Brasil para colaborar na luta em defesa do Sintusp e pela readmissão de Brandão

Em fevereiro último, esteve no Brasil Raul Godoy, delegado da gestão operária de Zanon e do Sindicato Ceramista de Neuquén, na Argentina, para participar e apoiar a campanha contra a demissão de Claudionor Brandão, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da USP (SINTUSP) e dirigente da Liga Estratégia Revolucionária (LER-QI). Agora, nos primeiros dias de abril, chega ao Brasil Mariano Pedrero, advogado do Ceprodh (Centro de Profissionais pelos Direitos Humanos) e da gestão operária de Zanon, com (...)

Debates

DEBATE EM CAMPINAS

Ricardo Antunes e Mancha debatem com a LER-QI

Realizou-se no dia 24/3 um importante debate na Unicamp, organizado pelo Centro Acadêmico de Ciências Humanas, onde a LER-QI, representada por Marcelo Torres, debateu com Ricardo Antunes, professor da Unicamp e militante do PSOL, e Mancha, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, militante da Conlutas e do PSTU. Cerca de 80 estudantes compareceram para debater a crise econômica e a resposta da esquerda. Buscaremos sintetizar as discussões que se deram, tarefa que o espaço (...)

30 DE MARÇO

Movimento Negação da Negação de braços dados com a Força Sindical e a CUT

Por isso, é necessário combater todos aqueles que alimentam as ilusões de que esses burocratas podem constituir alguma saída para os trabalhadores. Particularmente aqueles que se escondem por trás de uma verborragia de esquerda, pois são os que mais geram confusão.

LANÇAMENTO DA REVISTA ISKRA NA UNESP DE MARà LIA

DEBATE: LUKÃ CS E O STALINISMO

No dia 24 de março, na UNESP – Marília, ocorreu o debate “Lukács e o stalinismo†, como parte dos eventos de lançamento da revista Iskra nº 1. O debate reuniu o camarada Edison Salles (LER-QI) e Antônio Carlos Mazzeo, docente do câmpus e da direção do PCB. Discutindo o legado de Lukács e a relevância de sua contribuição ao marxismo, o debate teve momentos acalorados que refletiam a oposição de princípios entre os debatedores sobre como avaliar a obra de Lukács. Na impossibilidade de expressar aqui o (...)