Palavra Operária Nº 018

CONTATO ler-qi@palavraoperaria.org

Nacional

Nem reforma política, nem “acordão†, nem novas eleições gerais

Por uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana

Por: Thiago Flamé Enquanto se desenrola a trama no Congresso Nacional, que revela a podridão da democracia dos ricos e de todos os partidos deste regime, todos os brasileiros sabem ou sentem que a corrupção é apenas um sintoma de uma crise na verdade mais profunda.

Crise do "neoliberalismo lulista"

Em menos de um mês, caíram alguns dos principais ministros de Lula – entre os quais está seu histórico braço direito José Dirceu –, foram destituídos de seus cargos os principais dirigentes da cúpula do PT e o Presidente da CUT assumiu o cargo de Ministro do Trabalho.

Nossa luta contra a participação de partidos burgueses no ato do dia 17 e pela construção de um bloco classista

O ato deste dia 17 foi a primeira ação nacional convocada por organizações dos trabalhadores e partidos da esquerda para responder à atual crise do governo, do regime e do PT, e nesse sentido, se reveste de extrema importância.

Por um pólo classista, antigovernista e antiburocrático

Por: Miguel Tavares de Almeida A crise desencadeada pelas denúncias de corrupção que atingem o governo Lula, e as diversas instituições do regime político tem provocado uma aceleração na velocidade do movimento de recomposição do movimento operário que se iniciou após a posse de Lula.

As tarefas da Assembléia Popular

Romper com o reformismo petista e assumir a luta por um pólo classista e uma política independente

Constituída a partir de setores de esquerda do PT e da CUT, a Assembléia Popular lançada na reunião do dia 9 de julho em São Paulo, vem se constituindo num ponto de atração de setores classistas que se opõem ao governo Lula, mas estão fora da Conlutas.

A Conlutas deve lutar para se constituir como uma direção classista e combativa

O desenvolvimento da Conlutas vem sendo bastante contraditório. Ao mesmo tempo em que no seu início reuniu importantes setores do movimento operário que já tinham algum grau de experiência de luta contra a política pró-imperialista do governo Lula, em especial o funcionalismo público federal que vinha do embate contra a reforma da previdência, conseguiu reunir também vários sindicatos e oposições sindicais que questionam a política da direção da (...)

A crise histórica do PT atualiza a necessidade de um Partido Operário Independente

Por: Jaime Caribé Neste momento de crise política no país, que tem como epicentro a crise de “representação†do PT diante de amplos setores das massas, alguns declaram a “morte†do PT e outros reafirmam sua “trajetória histórica†negando sua “história†de conciliação de classes. Estas duas posições são simetricamente falsas.

Um grande exemplo para a construção do partido político dos trabalhadores

Publicamos extratos da proposta do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André, apresentada em 1979, ao IX Congresso dos Trabalhadores Metalúrgicos do Estado de São Paulo, que reuniu mais de cinco mil delegados representando dezenas de sindicatos.

Internacional

Bolivia

As jornadas de junho e a organização da classe trabalhadora

Por: Mara Onijá Depois de outubro de 2003, quando dezenas foram mortos nos conflitos pelo exército num banho de sangue em El Alto e Mesa assumiu a presidência, ele vinha garantindo a contenção dos levantes, mas numa situação política com muitas contradições. Em 2003 foram as mobilizações com bloqueios e paralisações que derrubaram o presidente Sanchez de Losada (Goni).

Juventude

A Plenos Pulmões, lutando na Conlute por uma real coordenação de lutas

Por: Joyce Machado , Thiago Flamé A Conlute surgiu na primeira metade de 2004 e começou a ser construída no calor das mobilizações e greves que percorriam as universidades naquele momento. Partiu de levantar a necessidade de uma coordenação para unificar nacionalmente o movimento estudantil na luta contra a reforma universitária, e abrindo a discussão em todo o país da necessidade de superar o velho movimento estudantil, aglutinado basicamente em torno da UNE, e seus métodos burocráticos e (...)

Polêmica e Debate

O PSTU no governo Lula

Os "zigue-zagues" e a capitulação ao frente-populismo

Por: Marcelo Tupinambá Desde o processo eleitoral em 2003 vem ocorrendo um processo de reorganização que, no atual momento de crise nas alturas e no próximo período vai se aprofundar frente ao baque histórico que está sofrendo o PT. A experiência das massas com o governo Lula e o PT tem colocado enormes desafios para os que se reivindicam marxistas e revolucionários.

Plebiscito Revogatório ou Assembléia Constituinte Livre e Soberana?

Por: Miguel Tavares de Almeida Diante da crise política que a cada dia corrói as instituições burguesas, desde o governo Lula, os diversos partidos políticos e o judiciário, começam a surgir dentro das correntes de esquerda propostas para superar a crise tendo como base o interesse dos trabalhadores.

Ideologia

Polêmica com Nahuel Moreno

A revolução permanente de Trotsky e a "revolução democrática" de Nahuel Moreno

Por: Edison Salles Este artigo tem o objetivo de confrontar a teoria da revolução permanente de Trotsky a algumas das últimas elaborações teóricas de Nahuel Moreno, fundador e dirigente até sua morte em 1987 da LIT, organização internacional da qual o PSTU faz parte, para tentar buscar aí as profundas raízes teóricas da ruptura deste partido com a estratégia e o programa marxista revolucionário.

Os revolucionários e a "Assembléia Constituinte"

Por: Paulo Matos Os revolucionários marxistas, quando levantamos a demanda por uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana, não deixamos em nenhum momento de dizer abertamente que lutamos pela expropriação de burguesia e a socialização dos meios de produção por um governo dos trabalhadores, dos camponeses e do povo pobre, baseado em conselhos de deputados revogá-veis eleitos por unidade de trabalho.

Curso de formação recupera o pensamento de Leon Trotsky a 65 anos de seu assassinato

A vigência da teoria da revolução permanente, do início do século XX aos dias de hoje

Por: Daniela Jinkings Entre os dias 12 e 21 de julho, realizou-se na Casa Socialista de cultura e política, no Brás, um curso sobre a Teoria da Revolução Permanente.

Especial: Hiroshima e Nagasaki 60 anos

O papel reacionário do imperialismo norte-americano

Por: Simone Ishibashi No dia 6 de agosto de 1945, às 8h45 da manhã, o céu da cidade de Hiroshima foi cruzado por militares do exército norte-americano a bordo do avião B-29 Enola Gay. Sua missão: lançar sobre a população civil desta cidade do interior do Japão a bomba atômica Litlle Boy, marcando um dos episódios mais monstruosos protagonizado pelo imperialismo norte-americano na história.