Cultura

Pablo: "Porque homem não chora" ou a culpabilização, sofrimento e morte das mulheres.

12 Jan 2015   |   comentários

Segundo o site oficial do cantor, Pablo é conhecido como a "A voz romântica" e o "Rei da Sofrência". Com treze anos de carreira, 10 CDs e 4 DVDs é um cantor de sucesso no mercado musical com milhões de CDs vendidos e mais de 20 shows por mês. No ano passado lançou seu segundo CD oficial pela Som Livre, "É só dizer que sim!", emplacando sucessos comerciais como “Porque homem não chora†, ouvida e cantada por milhares de pessoas no trabalho, nas (...)

Segundo o site oficial do cantor, Pablo é conhecido como a "A voz romântica" e o "Rei da Sofrência". Com treze anos de carreira, 10 CDs e 4 DVDs é um cantor de sucesso no mercado musical com milhões de CDs vendidos e mais de 20 shows por mês. No ano passado lançou seu segundo CD oficial pela Som Livre, "É só dizer que sim!", emplacando sucessos comerciais como “Porque homem não chora†, ouvida e cantada por milhares de pessoas no trabalho, nas ruas, nos comércios, nas festas etc. A música conta a história do homem que culpa a mulher por todos os problemas e misérias.

"Você que foi culpada desse amor se acabar
Você que destruiu a minha vida
Você que machucou meu coração me fez chorar
E me deixou num beco sem saída"

Assim como a Eva, personagem da Bíblia que carrega a culpa de ter induzido Adão àcometer pecado e cair em desgraça, a mulher cantada por Pablo também é julgada culpada por ter destruído a vida de um homem, ela machucou o coração do gênero dominante e o fez chorar, deixando-o "num beco sem saída", cometendo um crime imperdoável nas sociedades patriarcais-capitalistas, ou seja, organizadas e regidas primordialmente por homens.

Tim Maia, que agora voltou com força nas rádios e TVs depois da série produzida pela Rede Globo, também percorreu o caminho do amor sofrido e de final trágico, em geral, para as mulheres. Na canção "Sofre", ele também dá voz ao amado traído ou abandonado que ameaça a mulher e lhe deseja sofrimento:

"E desta dor nasce um ódio, um rancor, uma espécie de
vingança, que eu agora vou cantar.
Não vou mais chorar,
mas se eu chorar
vai ser baixinho pra ninguém me ver
O quanto eu sofro, pois amei você."

"Se valeu do sentimento puro
e belo que eu tinha por você
para fazer as suas crueldades e maldades
Sem perdão."

"Agora Sofre
Sofre
Todo mal que cê me fez
Você bem cedo irá pagar!"
Em a "Vingança do Amor", outra canção romântica cantada por Pablo:
"Tá doendo é, tá chorando é
Todo castigo é pouco, falei que ia ter troco
Tá doendo é, ta chorando é
Bem feito, bem feito."

Aqui o homem, na condição de juiz e carrasco fecha o ciclo:"todo castigo é pouco", "bem feito, bem feito." A mulher julgada culpada é punida. O tema é antigo e existem inúmeras canções como estas que produzem e reproduzem uma forma de amar baseada na culpabilização, no sofrimento e na morte de mulheres. A quem interessa este amor feminicida produzido e reproduzido milhares e milhares de vezes pelas gravadoras, emissoras de TV, estúdios de cinema etc?

Artigos relacionados: Cultura









  • Não há comentários para este artigo