GREVE

Os rodoviários de Porto Alegre mostram o caminho! Por uma campanha nacional em solidariedade!

03 Feb 2014   |   comentários

Neste domingo os rodoviários de Porto Alegre entraram em seu 7 dia de greve. Uma greve histórica que serve de exemplo em todo o país!
Apesar da justiça (TRT) que decretou a ilegalidade da greve e antes buscou cerceá-la tentando impor que 70% da frota circulasse, apesar do sindicato (dirigido pela Força Sindical) que tentou suspender a greve por 12 dias em acordo com a justiça e os patrões, os rodoviários seguem em luta em uma greve que já é histórica. Há mais de três dias 100% da frota esta parada e a prefeitura já colocou vans escolares nas ruas para furar a greve e pediu ao Governo do Estado que policiais habilitados a dirigir ônibus sejam usados para furar a greve!
Poucas categorias no país nas últimas três décadas seguiram em luta após a justiça decretar a ilegalidade da greve, o exemplo mais marcante foram os petroleiros em 1995. Só este elemento já bastaria para que toda a esquerda antigovernista, setores combativos da juventude país àfora tomasse às ruas dizendo em alto e bom som, “Somos todos Rodoviários! Somos todos Porto Alegre!†.

Esta combativa categoria está se enfrentando não só com a intransigência da justiça e seus decretos, com o sindicato pelego, mas também com a polícia a reprimir manifestações em apoio aos rodoviários (como a que ocorreu sexta 31/01) e os piquetes dos trabalhadores todas as madrugadas e manhãs. A categoria também está se enfrentando com o prefeito Fortunati, que é o patrão de uma das empresas de transporte que é uma estatal municipal de economia mixta, a Carris.

Fortunati (PDT) foi dirigente bancário e primeiro presidente da CUT-RS. Seus conhecimentos como sindicalista são empregados hoje para tentar quebrar esta greve. Primeiro propôs que a Brigada Militar quebrasse os piquetes, não conseguindo quis que o governador Tarso Genro (PT) chamasse a Força de Segurança Nacional para intervir. Também não conseguiu este apelo uma vez que nas vésperas da campanha eleitoral o petista está jogando a batata quente exclusivamente para a prefeitura (PDT e PT são adversários e não aliados no RS).

O governador não está reprimindo os rodoviários não é porque apoia a luta, mas por cálculos eleitorais e por claras mostras que a população apoia esta luta, além de buscar evitar problemas internos no PT uma vez que parte importante da oposição que está dirigindo o comitê de greve dos rodoviários é ligada ao PT e àcorrente sindical CUT pode mais, além de contar também com militantes de correntes antigovernistas como o MES e da CSP-Conlutas.

Junho sacudiu o país a partir da luta dos transportes, iniciada antes de junho na capital gaúcha, toda a população é solidária a que os rodoviários ganhem mais (pedem 14%, enquanto a patronal oferece menos de 6%), não faltam em Porto Alegre escândalos, tal como no Rio de Janeiro, o Tribunal de Contas afirma que a tarifa atual gera um lucro superior ao contratual e que as tarifas deveriam ser baixadas. A desculpa patronal e da prefeitura que não é possível conceder aumento de salário porque a tarifa não foi aumentada é mentira. Que os salários saiam dos lucros dos patrões!

Na assembleia de sexta-feira (31/01) os rodoviários votaram como medida de luta e contraproposta da patronal que só voltam a trabalhar se for decretado passe livre for decretada a gratuidade de todo o transporte! Com esta medida mostram outro exemplo a todo país. Esta greve exemplar demonstra a força dos trabalhadores, que quando cruzam os braços deixam claro quem são os reais responsáveis pela pelo transporte. Essa força só retoma a principal demanda de Junho, que os governos e os patrões só propõem responder com mais aumentos das tarifas e descarregar sob os trabalhadores com redução de salários, demissões, flexibilização de direitos.

Por isto além de dizer todo apoio àluta dos rodoviários, pelo imediato atendimento de suas reivindicações, dizemos pela estatização com gestão dos trabalhadores e controle dos usuários de todo o sistema de transporte! A luta da classe trabalhadora aliada àjuventude que tem tomado às ruas, pode levantar uma campanha nacional pela Estatização dos transportes com gestão dos trabalhadores, única saída capaz de dar condições para garantir dignas condições de trabalho aos rodoviários com o fim do trabalho precário e terceirizado, a racionalidade nas linhas e horários, qualidades nos transporte sob controle dos usuários; tudo isso financiado com o não pagamento da dívida pública e impostos aos capitalistas. Esta é a única maneira de que garantir que a população possa discutir as formas de gratuidade necessárias e não às custas de impostos para continuar a dar lucro aos patrões (como ocorre no projeto Tarifa Zero).

Por uma imediata campanha de solidariedade em todo o país! Que a oposição rodoviária de Porto Alegre chame uma reunião nacional de trabalhadores e da juventude para que os sindicatos dirigidos pela esquerda anti-governista como o sindicato dos metroviários de São Paulo, as oposições rodoviárias, e a juventude em todo o país possamos colocar de pé uma luta nacional por salário e melhores condições de trabalho aos rodoviários e pela estatização sob gestão dos trabalhadores e controle dos usuários!









  • Não há comentários para este artigo