Movimento Operário

GREVE DE PROFESSORES EM SP

Os primeiros passos da greve em Santo André

20 Mar 2015 | A greve dos professores em Santo André esta marcada por duas questões fundamentais. A primeira é a construção de um forte Comando de Greve da oposição, Professores pela Base, Renovar pela Luta, MTS e vários professores independentes se reúnem todos os dias e se dividem para chegar a todas as escolas da cidade. Desde o primeiro dia de greve o comando percorreu 45 escolas e discutiu com centenas de professores.   |   comentários

A greve dos professores em Santo André esta marcada por duas questões fundamentais. A primeira é a construção de um forte Comando de Greve da oposição, Professores pela Base, Renovar pela Luta, MTS e vários professores independentes se reúnem todos os dias e se dividem para chegar a todas as escolas da cidade. Desde o primeiro dia de greve o comando percorreu 45 escolas e discutiu com centenas de (...)

A outra característica marcante da greve é e desconfiança profunda dos professores com a direção majoritária do nosso sindicato, que traiu nossas ultimas greves e desmoralizou nossa categoria com o fim da greve de 2013, quando, apesar de toda a assembleia ter votado pela continuidade da mobilização, Bebel e seus aliados abandonaram o carro de som, decretaram o fim da greve e chamaram a policia para os professores que se revoltaram com tamanha burocracia.

No sentido oposto constituímos nosso comando de greve, pois entendemos que os professores devem tomar a luta em suas próprias mãos e se organizar para poder impor uma derrota para o governo do estado e suas correias de transmissão presentes em cada diretor de escola e coordenadores que receberam uma boa bonificação para manter a paz e a ordem dentro das escolas, intimidando e ameaçando os professores que sabem que devem lutar.

O assedio cotidiano que enfrentamos com as diretorias das escolas se faz muito ofensivo no momento da greve, como vimos na escola Visconde de Taunay, onde a direção chamou a polícia para o comando de greve, professores grevistas e alunos que paralisaram suas aulas para apoiar os professores.

Nas escolas de Santo André a greve se efetiva com muitos professores paralisados pela indignação das precárias condições de trabalho a que estamos submetidos, em nenhuma escola ouvimos qualquer palavra contraria a greve, todos sabemos que a greve é justa e necessária. Na escola Michelina, 95% dos professores esta paralisada e na escola Furia – Clube de Campo um acampamento ocupa a entrada da escola com atividades políticas e culturais. Além disso, vemos o apoio e solidariedade dos professores do Celso Gama que se cotizaram para ajudar uma das milhares professoras demitidas.

Esse apoio passivo visto em muitas escolas é importante, mas tem que se transformar em novos ativistas da greve. A única maneira de alcançar os 100% que tanto ouvimos nas escolas, que dará segurança para todos pararem, é rompendo com o sentimento de resignação que o governo quer nos impor dizendo que nossa greve é uma novela. Também não podemos permitir que a falta de confiança no sindicato nos divida e enfraqueça, juntos podemos exigir que o sindicato se coloque de fato em movimento e construa nas bases a greve que deflagrou, além disso que coloque suas verbas a serviço da luta respaldando os milhares de professores em estagio probatório, categoria O e demitidos que engrossam o caldo da nossa mobilização.
Hoje os professores de Santo André, fizeram um importante ato na Oliveira Lima, bem no centro da cidade, reuniram dezenas de professores e alunos de diversas escolas da região, além disso, o apoio a população era fortíssimo. A luta dos professores é uma luta de toda a população, já que não estamos em greve somente por salário, mas também por melhores condições de ensino e contra a precarização da escola pública.

O comando de greve de Santo André mostra o caminho e prova que a oposição unificada pode ser forte e deve se expressar nos momentos de luta, mas também nas eleições das subsedes, dando exemplo de que com um só punho podemos construir uma nova alternativa junto com os professores que acabam de integrar essa batalha.

Artigos relacionados: Movimento Operário , ABC Paulista , Educação









  • Não há comentários para este artigo