GREVE DAS ESTADUAIS PAULISTAS

Organizar um movimento massivo e expulsar a PM da USP e derrubar a reitora e impor as reivindicações!

06 Jul 2009   |   comentários

Depois da repressão de terça-feira, Adi Lima da CUT-SP, assim como o deputado José Genuíno e os senadores Aloísio Mercadante e Eduardo Suplicy, se apressaram em manifestar o seu repudio a ação da Policia Militar denunciando a truculência e a arbitrariedade da reitora e do governador José Serra, chegando, principalmente Genuíno e Suplicy, até a defender a reintegração de Brandão.

Os trabalhadores, estudantes e professores da USP agradecem esses apoios, pois podem ajudar a impulsionar uma frente única e ações de massas para expulsar a PM e derrubar a reitora, e impor a suas demandas, mas não podemos deixar de apontar que até agora não fizeram esforços para impulsionar uma mobilização real. Os parlamentares petistas mesmo desgastados depois dos escândalos de corrupção, ainda têm uma importante influência na classe média e em setores de intelectuais democráticos e se quiserem podem dar um grande impulso àmobilização. Da mesma forma a CUT, principalmente a partir da Apeoesp e da Fasubra, assim como a CTB (dirigida pelo PCdoB) a partir de metroviários e da Sabesp, podem cumprir um papel importantíssimo para organizar uma luta unificada de todos os trabalhadores para derrotar a política educacional do governo Serra. Infelizmente, até agora têm impedido que esses setores entrassem em movimento, como aconteceu no metró e em professores, assim como na Sabesp, numa greve que foi levantada depois de apenas três dias sem o atendimento das reivindicações.

Neste momento em que se abriu uma fissura na base de apoio do Serra, é preciso impulsionar uma mobilização massiva para conseguir derrotar a política da reitora e o governador Serra na USP. Por isso, nós estamos a favor de uma frente única com esses setores, apesar das diferenças políticas que nos separam, e exigimos que junto com o movimento que surgiu a partir da greve dos trabalhadores da USP, organizemos ações massivas e fortes o suficiente para expulsar a PM e a reitora e derrotar a política educacional tucana. Se não adotam essa linha política, a única capaz de impor uma derrota definitiva aos ataques tucanos àeducação e aos direitos dos trabalhadores, ficará demonstrado que seu interesse não é organizar uma luta séria contra o tucanato paulista, mas apenas favorecer os interesses eleitorais do PT em se manter no poder nas eleições de 2010.

No marco desta frente única necessária contra o governo tucano e a direita, para expulsar a PM e derrubar Suely Vilela, nos reservamos o direito de explicar para os trabalhadores e estudantes que o governo Lula, apoiado pelo PT e pela CUT, nas universidades federais aplica um política parecida àdos tucanos. Que apesar de Genuíno, Suplicy e cia, serem referências para setores democráticos, apóiam um governo que se alia com os militares para manter os documentos da época da Ditadura sob sigilo e não incriminar os torturadores, que seguem reprimindo nossas lutas. Que esse governo, enquanto despeja centenas de bilhões de reais nas mãos de banqueiros e grandes empresas, não toma medidas efetivas para evitar demissões em massas sequer nas empresas que como a Embraer o governo tem poder de veto sobre suas decisões. Enfim, no marco da frente única contra o tucanato, nos reservamos o direito de explicar que também o governo Lula atua contra os trabalhadores.









  • Não há comentários para este artigo