Movimento Operário

LUTA OPERà RIA NA FRANÇA

Operários da PSA sob locaute patronal

28 Jan 2013   |   comentários

Desde terça-feira 16, várias centenas de trabalhadores da PSA Aulnay entraram em greve. Eles estão fartos de serem enganados pela direção do grupo que, de reuniões a negociações, persiste em seu projeto de fechamento da planta em Seine-Saint-Denis onde é produzido o C3.

Os trabalhadores da PSA decidiram acelerar sua mobilização deflagrando na última terça dia 16, uma greve reconduzida na planta com o apoio da CGT e do Sud. Sexta-feira, cerca de 170 trabalhadores de Aulnay encontraram seus colegas da fábrica de Saint-Ouen, no mesmo departamento. Eles entraram por meio de um buraco feito no muro e realizaram uma manifestação no interior da planta parando completamente a produção e foram calorosamente acolhidos pelos trabalhadores de Saint-Ouen. No dia seguinte, a fábrica de Poissy foi cercada de policiais enviados preventivamente pelo governo “socialista†de Hollande, por medo de que os grevistas de Aulnay visitassem, dessa vez, seus colegas da antiga planta de Talbot onde uma parte da produção do C3 seria realizada se Aulnay fechar.

A direção também acelerou, não renunciando a nada para tentar desmoralizar os trabalhadores e quebrar uma greve que, desde terça-feira, impede toda a produção em Aulnay. Além disso, os boletins de imprensa e as reclamações dirigidas contra os trabalhadores em luta, PSA argumentou uma pane em uma das máquinas da área de pintura, para fechar, até nova ordem, a fábrica de Aulnay colocando todo o pessoal em desemprego técnico a partir de segunda, dia 21. O objetivo é claro: suspendendo o serviço de carros e bloqueando a entrada da fábrica com grande reforço de vigias e guardas, o objetivo é impedir os trabalhadores de continuarem sua luta.

Isso não é suficiente para abalar a moral dos grevistas que se reagruparam na manhã de ontem no estacionamento da planta antes de se reunirem na Bolsa de Trabalho de Aulnay para decidirem as próximas medidas a serem tomadas. Além disso, o apoio ao chamado de greve dos trabalhadores da Renault dia 23 de janeiro e a participarem do encontro parisiense das fábricas em luta, contra as demissões e pela convergência das lutas no ultimo dia 24, os trabalhadores da PSA estão bem determinados a não se curvarem. Será preciso apoiá-los por todos os meios, principalmente pelas contribuições ao seu fundo de greve em seu combate que acaba de começar, o que poderia ser um primeiro passo também para reforçar os laços existentes entre os trabalhadores da PSA Aulnay e aqueles que os apoiam em seu combate.

Abaixo ao locaute! Fora aos guardas e vigias que encarceram a fábrica de Aulnay!

Não às demissões e aos fechamentos de postos de trabalho na indústria automobilística, tanto na PSA quanto na Renault!

Não ao fechamento da planta de Aulnay, todo nosso apoio aos grevistas !

Artigos relacionados: Movimento Operário , Internacional









  • Não há comentários para este artigo