" />

Movimento Operário

FORTALECER A LUTA ESTRATÉGICA PELA EFETIVAÇÃO DOS TERCEIRIZADOS

Ocupação de um dia obriga Reitoria da USP a pagar salários atrasados

23 Sep 2011   |   comentários

TV Bandeirantes, direto da ocupação na USP, entrevista Neli Wada e Diana Assunção, diretoras do Sintusp, veja a seguir:

Depois da greve da União a USP não é mais a mesma. Muitos estudantes, trabalhadores e professores diziam isso durante os últimos meses. Hoje, podemos dizer que de fato, a USP não é mais a mesma. Porque, a partir desta experiência e de lutas anteriores forjou uma enorme tradição na luta contra a precarização do trabalho. Tradição esta que é encabeçada pelo Sindicato de Trabalhadores da USP (que tem sua Diretoria composta pelo Coletivo Piqueteiros e Lutadores e pela LER-QI) que vem se mostrando como um sindicato extremamente combativo e que busca fazer a diferença na luta de classes. Na luta da BKM, com apenas um dia de ocupação, retomando os métodos de luta da classe operária e com apoio dos estudantes, a Reitoria rapidamente "deu um jeito" de pagar os salários dos trabalhadores, ainda que a responsável legal por isso, a BKM, tivesse "sumido" com o dinheiro dos salários.

Esta primeira conquista, pelo pagamento dos salários, deve seguir com uma enorme campanha contra qualquer tipo de repressão aos trabalhadores da BKM que continuam trabalhando na USP. Não aceitaremos nenhuma repressão aos que lutam, nenhum tipo de chantagem ou ameaça de demissão. E, mais do que exigir "estabilidade" neste emprego da BKM, queremos lutar fortemente com todos os setores da universidade para impôr a efetivação de todos os terceirizados - sem necessidade de concurso público, porque já realizam muito bem suas funções, diferentemente dos procuradores por cuja contratação sem concurso o Ministério Público está investigando Rodas; além do que, a recente onda de denúncias de nepotismo na USP mostra mais uma vez que os concursos não garantem nada. Só esse programa pode acabar de uma vez por todas com esta forma cruel de dividir a classe operária entre efetivos, terceirizados, temporários. Esta é uma luta que deve ser parte de todo o combate a privatização da Universidade, que tem hoje uma ferramenta devastadora que é o PROADE, um "plano de demissões programadas" que vai implementar um corte de empregos como nunca se viu antes na USP. Tudo isto em meio a uma série de greves nacionais que lutam por aumento salarial e também contra a precarização, como na Unicamp onde na quinta-feira estourou um processo de luta dos terceirizados dos restaurante universitário.

Para avançar nesta campanha, consideramos necessário e urgente aprofundar um debate de estratégias dentro do movimento, com todos estudantes, trabalhadores, terceirizados e professores que vem participando destas lutas. Nós da LER-QI, que integramos a Diretoria do Sintusp e organizamos a Juventude Às Ruas com dezenas de estudantes que tem sido linha de frente nas lutas operárias e estudantis, consideramos que é necessário elevar cada luta sindical, estudantil ou econômica àuma forte luta política contra o Estado, o governo e no nosso caso contra a Reitoria da USP. Neste sentido, além de atuar decididamente para garantir as reivindicações mínimas de todos os trabalhadores, como pagamento de salários e direitos, luta contra o assédio moral e contra as péssimas condições de trabalho, consideramos necessário lutar para impedir que a estratégia de divisão da classe operária permaneça. Por isso, buscamos sempre transformar cada pequena luta em uma grande batalha de classe, e no caso dos trabalhadores terceirizados, uma luta que possa também forjar uma vanguarda de novos trabalhadores lutadores que exijam não somente seus direitos mínimos, mas a efetivação de todos, sem necessidade de concurso público. Esta é uma luta democrática, que a encaramos desde uma perspectiva revolucionária, como um passo fundamental para acabar com a exploração capitalista.

Viva a luta dos trabalhadores da BKM!
Nenhuma repressão ou ameaça aos trabalhadores da BKM!
Efetivação de todos os trabalhadores terceirizados sem necessidade de concurso público!

Artigos relacionados: Movimento Operário , São Paulo Capital









  • Não há comentários para este artigo