Nacional

Nestas eleições: Saúde “modelo†para infecção de Alckmin; falta d’agua e privatização de Hospitais para o povo

25 Aug 2014   |   comentários

“Se fosse atendido no SUS já tava morto†.
Sempre que um político tem alguma complicação e é atendido em algum grande e renomado hospital esta é a frase que se espalha em comentários de bares, esquinas, locais de trabalho, entre os trabalhadores e povo pobre.

É muito evidente, para a população, a situação de calamidade em que se encontram os hospitais: Emergências lotadas, falta de médicos, espera de horas, escassez de materiais, alojamentos improvisados em corredores, ou seja, uma verdadeira barbárie que, vez ou outra, trás a tona casos de mortes de pacientes em corredores, em frente a hospitais, infecções incontroláveis, etc.
É levando isto em conta que os trabalhadores, quando vêem a notícia de algum figurão doente, exclamam sua insatisfação com o SUS.

Nos últimos meses, no entanto, em SP, alguns casos tiveram especial evidência, ainda mais se tratando de uma época pré-eleitoral: o fechamento e ameaça de privatização de hospitais centrais para a cidade e a infecção intestinal de Alckmin.

Há quase um mês, por falta de recursos para pagar os fornecedores de materiais e remédios com os quais contraiu uma dívida de 50 milhões, o Hospital da Santa Casa de Santa Cecília fechou seus atendimentos de emergência e pronto socorro, demonstrando a grave crise a que chega a saúde no estado.

Um hospital que cumpre um papel indispensável na região central de SP, de caráter filantrópico, porém financiado progressivamente pelo Estado, só encontrou uma saída frente a pressão da falta absoluta de alternativas, que obrigou ao Governo ter de se comprometer a pagar a divida com os fornecedores e financiar os 300 milhões de dívida global pelo BNDES.

Como um hospital central para o atendimento da população consegue contrair tamanha dívida milionária, apenas os esquemas de corrupção e desvios de verba na relação “filantropia e Estado†podem explicar.

Por outro lado, se a Santa Casa encontrou uma saída do tipo “tapar sol com peneira†, postergando uma nova crise, outros exemplos tão graves quanto ocorreram neste período.

Em meio a crise orçamentária da USP, a Reitoria da Universidade, chefiada por Zago a serviço de Alckmin, decidiu criar como uma de suas soluções mágicas todo um “pacote de maldades†vazado pela imprensa e que contém, fundamentalmente, ataques aos trabalhadores e a população, dentro do qual está a proposta de desvinculação do Hospital Universitário da USP e do Hospital de reabilitação de anomalias craniofaciais, da USP Bauru.

Na prática, iria se transferir a gestão dos hospitais para a Secretaria de saúde que, no modelo atual, transferiria a gestão para alguma OS (organização social), que nada mais é que uma fundação que, estabelecendo uma parceria com poder público, está na grande maioria dos casos ligada as grandes corporações e fornecedores de materiais, seja na saúde, moradia, etc. Para notar isto, basta ver que as OS’s recebem o nome- descarado- das próprias empresas como “fundação Albert Einstein, fundação “são Camilo†, etc.

Isto abriria espaço não apenas para uma privatização descarada, que levaria a substituição de milhares de trabalhadores que hoje são funcionários da Universidade, por outros terceirizados, com menos direitos e salários menores, como igualmente afetaria o atendimento a população e a formação de médicos e profissionais que ocorre nestes hospitais.

Não apenas o HU é um hospital que trata milhões de pessoas da região Oeste de SP, com possui cifras de centenas de cirurgias ao mês, centenas de milhares de atendimentos de emergência e é um importante centro de formação de milhares de estudantes de Enfermagem, medicina, obstetrícia da USP. Em bauru, o “centrinho†como é chamado o Hospital, é referência no tratamento público de anomalias crânio faciais e na formação de profissionais para tratar estas raras complicações.

Com a desvinculação e possível privatização “maquiada†, se estabeleceriam planos de “metas de atendimento†e uma lógica empresarial que visaria não a formação paciente e focada dos profissionais e muito menos ao atendimento realmente humano dos milhões da região. O que daria o tom seria o lucro das OS’s, fundações e fornecedores que dominariam de conjunto a estrutura dos hospitais, como acontecem em centros que foram desvinculados e/ou privatizados.

Do outro lado da história, no entanto, vemos a situação de Alckmin e, previamente, de Serra e outros exemplos de como é a saúde para os “representantes†eleitos.

Contraindo antes do primeiro debate uma infecção intestinal, o que é algo relativamente simples caso tratado, Alckmin foi prontamente internado no INCOR, hospital de referência, público e com esperas enormes de internação, e acompanhado por 3 dias pelos médicos mais renomados. Após a saída, seguiu acompanhado, hora a hora, pela equipe da secretaria de saúde de SP e pelos médicos do INCOR e, segundo noticia-se, melhora progressivamente.
Outro exemplo emblemático é de Serra, candidato a senador pelo PSDB que, desenvolvendo no início do ano um tumor benigno na próstata, não hesitou e correu ao atendimento do Hospital Sírio Libanês, um dos mais renomados e utilizados pela elite paulista, o que lhe propiciou todo o atendimento e cuidados por dias. Outros exemplos como de Lula, tratado de cancêr no mesmo hospital, mostram o quão privilegiados são.

A contradição se esclarece com os dados.
O câncer hoje é uma das maiores causas de morte por razões de “saúde†no Brasil; infecções e complicações simples, seguem matando milhares de brasileiros que, batendo de frente com as enormes esperas, falta de médicos e de medicamentos, enfrentam a automedicação e agravam seu quadro clínico.
As filas de espera e de pedidos de internação duram respectivamente muitas horas e dias para se concretizarem isto quando se concretizam.

Quando uma trabalhadora acostumada a viver entre o ódio com fila do hospital e o ódio do patrão que a pressiona a trabalhar doente diz “se fosse no SUS tava morto†, está implícito tanto a crítica a situação real de calamidade da saúde no país, como a estes parasitas que, sendo “representantes†votados , neste regime político dos “ricos†e grandes empresas, vivem de privilégios, salários milionários e levam uma boa vida, mesmo diante das maiores complicações.

É necessário que no dia a dia e frente a esta farsa das eleições, que vendem propagandas de hospitais “de ponta†, postos de saúde aos milhares, atendimento rápido e eficaz, os trabalhadores tenham a consciência que só sua organização independente pode arrancar conquistas, como fizemos aos milhões em Junho.
Frente as crises, nos dizem: Falta água? Culpa da população que não economiza! A USP está em crise orçamentária? Culpa dos trabalhadores e dos milhões que usam o HU de graça; privatiza isso!

Certamente, no entanto, não é na casa deles que vai faltar água, não são os filhos deles que morrerão na fila dos hospitais, muito menos eles que se esmagarão no campo de batalha do transporte superlotado.

Artigos relacionados: Nacional , Direitos Humanos









  • Não há comentários para este artigo