Movimento Operário

CORRUPÇÃO DA PETROBRAS

Nas mãos do PSDB ou do PT a investigação da Petrobrás não serve os interesses dos trabalhadores: por uma investigação independente

17 Apr 2014   |   comentários

O escândalo da compra superfaturada da refinaria de Pasadena nos EUA tem tomado o noticiário no país. Outras denúncias de superfaturamento na RNEST (em Pernambuco) e no Comperj (Itaboraí, RJ), entre várias outras também tem aparecido. O antigo diretor da área de Abastecimento (a das refinarias e transporte), Paulo Roberto Costa, indicado pelo PMDB, foi preso em operação de lavagem de dinheiro e novas denúncias vinculam ele a contratos ilegais de terceirizadas com a Petrobrás. Seu nome está vinculado àcompra superfaturada nos EUA, junto a um parente do antigo presidente da Petrobrás Gabrielli (PT) e do ex-diretor Cerveró, estes dois últimos demitidos recentemente.

Está em curso uma tentativa de explorar estas denúncias por parte do PSDB e outros parlamentares oposicionistas e da mídia burguesa para alcançar objetivos eleitorais afetando Dilma (pois era presidente do conselho da empresa quando foi aprovada a compra de Pasadena) e enfraquecer a estatal, e assim, fortalecer seus antigos projetos privatistas. De parte do PT e de Dilma estão vestindo uma camisa “nacionalista†que não lhes pertence, já que realizaram a maior privatização da história do país (mega-campo de Libra) no Pré-Sal e agora defendem que é melhor que não exista a CPI para defender a Petrobrás, ou seja, se ninguém souber de nada, melhor seria para o país. Às empreiteiras e grandes prestadoras de serviço tem realizado um ativo lobby contra qualquer investigação, pois não querem que as denúncias atinjam seus negócios e junto a isto expor os esquemas de corrupção, caixa dois, etc, que liga estas empresas tanto ao governo como àoposição seja nos casos da Petrobrás ou em outros como o do metrô de SP.

Não será das mãos do PSDB, da mídia burguesa, nem do PT e seus agentes na Petrobrás, nem da CPI, que ocorrerá uma investigação rigorosa.

Quem realmente consegue investigar estas denúncias?

Como não será das mãos do governo nem dos partidos da oposição, muito menos da mídia que será feita esta apuração, só cabe a nós trabalhadores fazê-la.

Para conseguirmos nós trabalhadores sermos linha de frente em investigar estas denúncias, ou seja criar uma comissão independente de investigação composta e construída pelos sindicatos petroleiros, outros sindicatos, especialistas em petróleo e gás, contabilidade, etc, precisamos derrotar a política da mídia e parlamentares burgueses, bem como a que está sendo levada àfrente pela FUP (Federação Única dos Petroleiros – CUT). Esta federação está tentando construir mobilizações contra a CPI e ela defende que a Petrobrás e órgãos do governo que investiguem, ou seja, que nada seja feito. Aos trabalhadores interessa o oposto, que tudo seja investigado e que todos os bens de corruptos e corruptores sejam expropriados.
Para conseguirmos ter uma comissão de investigação independente também precisaremos que a política do Sindipetro-RJ seja revista. Este importante sindicato independente do governo e da empresa ligado àFNP também se posiciona contra a CPI e defende prisão dos corruptos, mas não diz quem deveria investigar, nem chama os petroleiros a nenhuma ação. Apesar do que declara, acaba servindo para inação dos trabalhadores e assim, blindar o governo.

Este imobilismo também é o que se depreende do posicionamento do conjunto da federação independente do governo e da empresa, a FNP. A posição da FNP (a partir de texto do Sindipetro AL/SE – dirigido pelo PSTU) é de denúncia das CPIs porque terminam em “pizza†e a defesa de uma Petrobrás 100% estatal, sob controle dos trabalhadores. Concordamos com este programa, porém para que ele faça sentido, é preciso dar uma resposta concreta hoje e não só fazer estas declarações. Por isto chamamos a FNP a tomar um posicionamento claro a favor de uma comissão de investigação independente, construída desde os sindicatos e que lutemos para confisco dos bens de corruptos corruptores. A partir de uma política como esta nos sindicatos da FNP seria possível exigir da FUP que rompa seu alinhamento com o governo.

Ao mesmo tempo consideramos que é necessário avançar em uma discussão na categoria, para realmente administrar a Petrobrás democraticamente e de acordo com os interesses do povo brasileiro, deveríamos lutar pela eleição de todos os conselheiros pelos trabalhadores (hoje apenas 1 é eleito, e todos os outros são indicados pelo governo ou pelos acionistas minoritários), e que também houvesse representantes de trabalhadores de outras categorias. Também deveríamos começar a lutar para eleição de todos cargos de chefia (de diretores a supervisores) pelos trabalhadores, única maneira a, desde a base, começarmos a controlar a empresa em prol dos interesses de todos trabalhadores do país.

Artigos relacionados: Movimento Operário , Rio de Janeiro









  • Não há comentários para este artigo