Teoria

WENDY GOLDMAN NO BRASIL!

“Mulher, Estado e revolução†de Wendy Goldman, chega ao Brasil em pleno maio operário

22 May 2014   |   comentários

Não haveria momento melhor pra lançar o livro “Mulher, Estado e revolução†no Brasil. Em meio a greves operárias e manifestações, trazer a tona os debates mais profundos que os revolucionários e a classe operária russa levaram adiante será fonte inesgotável de lições para a classe operária brasileira, em especial as mulheres.

Os dados apresentados pela historiadora norte-americana Wendy Goldman, em estudo inédito e brilhante, dão as bases materiais e científicas para confirmar a tese marxista de que a emancipação das mulheres passará necessariamente por uma revolução operária, que abra espaço para a luta incessante contra toda forma de opressão e exploração.

Os direitos que os bolcheviques proporcionaram às mulheres não foram vistos nem mesmo nas mais avançadas democracias burguesas. Foi o Partido Bolchevique que aboliu o casamento religioso reconhecendo as uniões “de fato†com igualdade de direitos para todos os filhos; garantiu o direito ao divórcio e ao aborto; instaurou a educação mista; eliminou a perseguição aos homossexuais e às mulheres em situação de prostituição; bem como socializou as tarefas domésticas com creches, lavanderias e refeitórios comunitários. Muitos negam, mas a verdade é que a luta pela emancipação das mulheres não foi uma questão secundária, senão uma tarefa central da revolução proletária.
E conquistando tudo isso, em meio àguerra civil e a todo o tipo de ataque de países imperialistas contra a revolução, Lenin dizia que era preciso conquistar a igualdade não somente diante das leis, mas diante da vida. E Trotsky, o grande revolucionário russo ao lado de Lenin, dizia que mesmo com todo o avanço após a tomada do poder, o estado operário ainda não havia garantido uma “vida feliz†às mulheres russas, havia muito o que avançar. A tomada do poder era somente o começo de um processo de “metamorfose interna†da revolução, que necessitaria avançar a nível internacional, e lutar internamente para colocar fim a todo tipo de opressão e exploração.

Esta grande experiência sofreu com o processo de burocratização frente ao isolamento da revolução, com Stalin àfrente. O livro de Goldman, também traz dados e informações que demonstram a derrocada dos ideais revolucionários com a ascensão de Stalin, bem como todo o retrocesso no âmbito da questão da mulher.

Com este novo instrumento, cabe a nós revolucionários tirar as lições mais profundas da experiência russa e colocar de pé um grande movimento revolucionário de mulheres. É por isso que o grupo de mulheres Pão e Rosas é impulsionador desta publicação, a partir das Edições ISKRA em parceria com a Boitempo Editorial.

Essa semana ocorreu os grandes lançamentos do livro na Unicamp, USP e UFRJ reunindo mais de 600 jovens e trabalhadores em excelentes debates vivos e contagiantes sobre a luta revolucionária das mulheres abrindo em toda vanguarda, com a presença de distintas correntes políticas, um debate sem precedentes. Nunca se havia feito no Brasil uma discussão desta profundidade em relação a luta das mulheres.

Também, o grupo de mulheres Pão e Rosas e as Edições ISKRA tiveram a iniciativa de trazer ao Brasil Andrea D’Atri, especialista nos estudos sobre a questão da mulher e dirigente nacional do PTS. Além dos lançamentos, organizaremos um forte seminário de formação para os militantes da LER-QI e das agrupações que impulsionamos com centenas de independentes (Movimento Nossa Classe, Pão e Rosas e Juventude Às Ruas).

Convidamos todos a ler e debater o livro “Mulher, Estado e revolução†e participar dos próximos debates de lançamentos em universidades e locais de trabalho. Exigimos nosso direito ao pão, mas também às rosas!

VEJA AS FOTOS DOS LANÇAMENTOS:

CAMPINAS 19/05:

JPEG - 39.5 KB
JPEG - 47.7 KB
JPEG - 63.1 KB

SÃO PAULO 20/05:

JPEG - 56.1 KB
JPEG - 48.8 KB
JPEG - 56.3 KB
JPEG - 44.2 KB

RIO DE JANEIRO 21/05:

JPEG - 44.7 KB
JPEG - 48.9 KB
JPEG - 24.1 KB

Artigos relacionados: Teoria , História , Gênero e Sexualidade









  • Não há comentários para este artigo