Nacional

Movimentos sociais urbanos realizam dia de luta por moradia

19 Mar 2015   |   comentários

Nesta quarta feira, vários movimentos sociais urbanos reunidos na Frente Nacional de Movimentos – Resistência Urbana, realizaram uma jornada nacional de protestos.

Segundo os organizadores, rodovias e avenidas foram cortadas em sete estados, em mais de vinte focos de protesto. Os bloqueios se concentraram em São Paulo e Minas Gerais, mas aconteceram também na Bahia, Ceara, Paraiba, Rio de Janeiro e Paraná.

A principal pauta do protesto é o destravamento da terceira fase do programa minha casa minha vida, paralisado no contexto do ajuste fiscal do governo. Inicialmente a terceira fase do programa estava prevista para junho do ano passado. Segundo declaração de Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST para a Rede Brasil Atual, “A ação de hoje é um recado. Há uma insatisfação popular com o atraso nas políticas públicas, particularmente de moradia, e com o ajuste fiscal. Até o momento não houve sinalização do governo no sentido de atender. Ocupamos ministérios na semana passada e os andamentos para nós estão muito lentos. Por isso as ações tendem a continuar até que haja respostas concretas†.

Entre as reivindicações do movimento em relação ao programa do governo federal, está a mudança das suas regras, privilegiando a faixa de renda até 3 salários mínimos para 70% dos caos e realizando esses empreendimentos também em áreas centrais das cidades. O movimento também pede a ampliação dos empreendimentos geridos pelos movimentos sociais e não pelas empreiteiras. O que hoje acontece somente em alguns casos. Apesar de defender a continuidade do programa, em seu manifesto também é crítico ao governo: “O modelo de política urbana adotado pelo governo federal nos últimos anos privilegia abertamente o setor imobiliário - as construtoras, incorporadoras e os proprietários de terra urbana - que lucraram e lucram bilhões de reais.â€

Setores da esquerda esquerda classista não concordam com essa reivindicação do programa Minha Casa, Minha Vida. Para Thais, delega sindical da Caixa Econômica Federal (banco publico que faz a gestão do programa) e formada em arquitetura, “o programa do governo está muito mais voltado para o lucro das construtoras do que resolver o problema de moradia popular†. Para ela, “essa parte específica que se refere às entidades, que tem acesso a uma parte muito pequena do orçamento total do programa, cerca de 1% apenas, acaba cumprindo um papel de legitimar todo o enorme volume de recursos que vai parar direto nas mãos das grandes construtoras. Fora o fato de que o governo também usa isso de uma forma bastante clientelista que busca controlar e atrelar os movimentos sociais àsua base . E o critério de seleção das entidades acaba tendo muito a ver com esse ponto. Ampliar esse sistema no quadro atual do programa só vai aumentar o atrelamento dos movimentos por moradia ao governo federalâ€

Artigos relacionados: Nacional









  • Não há comentários para este artigo