Movimento Operário

Milhares de metalúrgicos em greve na China

12 Feb 2015 | Milhares de trabalhadores metalúrgicos da cidade de Wugang (no centro da China) entraram em greve neste fim de semana por melhores salários. Mais de 10000 trabalhadores de uma das principais produtoras de aço chinês, a estatal Wuyang Steel and Iron Co. na província de Henan, fecharam rodovias e levavam cartazes exigindo melhores salários e uma melhor gestão.   |   comentários

Milhares de trabalhadores metalúrgicos da cidade de Wugang (no centro da China) entraram em greve neste fim de semana por melhores salários. Mais de 10000 trabalhadores de uma das principais produtoras de aço chinês, a estatal Wuyang Steel and Iron Co. na província de Henan, fecharam rodovias e levavam cartazes exigindo melhores salários e uma melhor (...)

Os trabalhadores foram reprimidos pela polícia, que agrediu os grevistas e levou os organizadores presos, disseram testemunhos a Rádio Free Asia.

Um trabalhador disse a RFA " os trabalhadores da fábrica de aço estão em greve, já que não estado felizes com os salários baixos e não podem alimentar suas famílias e enviar seus filhos àescola ". "A companhia sofreu grande persas devido àmá gestão, mas não afetou os altos diretores que são os responsáveis. Eles levaram para casa um salario alto e uma bonificação, e é um entrave que os não tenha conseguido um aumento em seus salários", agregou outro trabalhador que manteve o anonimato por temer sanções.

Os trabalhadores recebem 2.000 yuanes (uns U$330) enquanto a empresa é uma das principais exportadoras de aço a países como Estados Unidos ou Alemanha. "Como 2.000 yuanes poderiam ser suficientes? Os trabalhadores ganham menos da metade do salario dos supervisores e os trabalhadores não tem bônus de fim de ano, logo não podem comemorar o Ano Novo Chinês", adicionou.

A greve mostra a extensão dos conflitos trabalhistas na China. Um dos epicentros das lutas é a província de Guangdong, onde as autoridades locais lançaram uma serie de medidas para tentar barrar a onda de greves e lutas operárias que se duplicaram em 2014, chegando a 1.300 conflitos em todo o pais.

O ultimo trimestre de 2014 viu um considerável aumento de greves operárias, muitas delas por salários com pagamento pendente antes do feriado do Ano Novo Chinês. Em um informe da organização China Labour Bulletin (Boletim Operário da China, em português) registrou 569 paralisações durante o quarto trimestre, mais de três vezes o numero no mesmo período de 2013, e que os distúrbios se intensificaram antes do Ano Novo chinês, que cai este ano no dia 19 de fevereiro. As reclamações dos trabalhadores pelos atrasos salariais, aumentos salariais e compensação representam mais de 87 das demandas das greves.

A desaceleração da economia chinesa e a busca por baratear a forca de trabalho por parte de muitas empresas esta levando os trabalhadores a se rebelarem com mais freqüência.

A resposta de punho firme das autoridades, isolando os ativistas e perseguindo os grupos de trabalhadores organizados independentemente, não conseguiu frear as manifestações organizadas muitas vezes utilizando as redes sociais.

Artigos relacionados: Movimento Operário , Internacional









  • Não há comentários para este artigo