Universidade

Mães e crianças ocupam Reitoria da USP pela abertura de vagas nas creches

26 Feb 2015   |   comentários

No último dia 25 de fevereiro ocorreu o ato "Creche das crianças sem-creche na Reitoria da USP" que reuniu mães, pais e crianças sem creche, além de trabalhadoras e trabalhadores das Creches da USP e vários ativistas e diretores do Sintusp.

No último dia 25 de fevereiro ocorreu o ato "Creche das crianças sem-creche na Reitoria da USP" que reuniu mães, pais e crianças sem creche, além de trabalhadoras e trabalhadores das Creches da USP e vários ativistas e diretores do Sintusp.

O objetivo da manifestação era chamar a atenção pra Reitoria sobre a situação concreta em que se encontram as mães e pais que estão com seus filhos sem creche, simplesmente porque a Reitoria decidiu suspender as matrículas. As famílias estavam organizadas para que seus filhos ingressassem nas creches e agora simplesmente não tem o que fazer.

Várias mães são estudantes que agora estão tendo que levar seus filhos pra sala de aula, sofrendo com professores e professoras que as expulsam das salas de aula, mas também sofrendo com o fato de que não poderão acompanhar integralmente as aulas. Uma das alunas disse que passou mais tempo fora da sala do que dentro, pra dar conta de cuidar de seu filho de 2 anos.

Com guaxe, brinquedos e também muita alegria as crianças sujaram "um pouquinho" o saguão de entrada da Reitoria da USP. Nesta ação lúdica e divertida, o movimento conseguiu arrancar uma reunião com o Superintendente do Serviço de Assistência Social da USP (SAS), Waldyr Jorge. Depois de enrolar por algumas horas todos os presentes, ficou indicada nova reunião no começo da semana que vem pra que a SAS responda a todos sobre a possibilidade de aceitar a proposta das trabalhadoras e trabalhadores das Creches que, se auto-organizando, estão propondo receber uma porcentagem das mais de 100 crianças que ficaram de fora.

Neli Wada, diretora do Sintusp que esteve a frente da negociação com Waldyr Jorge reafirmou o compromisso do Sindicato na luta em defesa das creches, para que nenhuma criança fique de fora e para que se inicie processo de contratação imediata de funcionários na USP.

Artigos relacionados: São Paulo Capital , Universidade , Gênero e Sexualidade









  • Não há comentários para este artigo