Questão negra

Inconfidência Mineira: entre a resistência negra e a pressão da metrópole

17 Nov 2014   |   comentários

Este ensaio demonstra, através da análise da Inconfidência Mineira localizada em meio à s grandes lutas dos negros e negras, como a negativa das elites dominantes em armar as massas negras e populares para lutar por uma genuína independência nacional não era um problema de força de vontade e sim uma questão de sobrevivência, uma vez que a afirmação do negro como sujeito histórico desde o início – ainda mais com armas na mão – colocava em (...)
  • Inconfidência Mineira: entre a resistência negra e a pressão da metrópole



CLIQUE NO LINK ACIMA PARA LER O ARTIGO COMPLETO

A intelectualidade e a esquerda brasileira historicamente basearam-se – e ainda baseiam-se – numa compreensão da história do país que nega ou subvaloriza o papel da luta negra na formação do Estado. Como muito, a exemplo de setores importantes do reformismo (que estudam e resgatam a história dos negros e negras no Brasil), enxergam esse papel como algo que poderia ter cumprido um papel auxiliar às classes dominantes caso essas tivessem mostrado maior coragem no enfrentamento contra a metrópole e o imperialismo. Trata-se de uma concepção profundamente influenciada por uma matriz de pensamento weberiana, que interpreta o desenvolvimento histórico como uma soma de vontades dos sujeitos sociais e não a partir das determinações sócio-históricas estabelecidas pela relação dialética entre a economia, a política e a luta de classes. Apesar de distinta, essa concepção, ainda que nem sempre de forma consciente, termina se adaptando àideologia dominante de que o Brasil foi formado por um povo “pacato e pacífico†.

Compreender profundamente como e porque o pensamento social e político brasileiro se manteve preso a essa matriz metodológica (que influencia demasiadamente as interpretações do marxismo brasileiro) cumpre um papel fundamental para valorizar corretamente a superioridade da Teoria da Revolução Permanente elaborada por León Trotsky como base metodológica para uma interpretação científica do desenvolvimento histórico brasileiro que coloque em seu devido lugar o papel que a classe trabalhadora historicamente deveria ter cumprido e ainda precisará cumprir.

Entendemos que esse aporte, que constitui a linha de desenvolvimento do ensaio anexo, é algo completamente original, fundamental para a constituição de uma tradição revolucionária no Brasil.

Artigos relacionados: Questão negra









  • Não há comentários para este artigo