Internacional

FRENTE À CRISE SALARIAL E O AUMENTO DE SUSPENSÕES E DEMISSÕES

Importante projeto de Nicolás Del Caño no Congresso

13 Feb 2014   |   comentários

Fazemos esta defesa quando estamos novamente ante um golpe ao bolso dos trabalhadores depois da desvalorização, com a inflação que carcome a cada dia os salários, e enquanto se intensificam as suspensões e demissões.

Esta semana, desde a bancada do PTS na FIT, avançou-se em elaborar um projeto de lei que proíbe as demissões e suspensões, ademais de estabelecer um salário mínimo para todos os trabalhadores do país não inferior ao custo da cesta básica familiar – que hoje ronda os 10.000 pesos – uma indexação automática de salários segundo o índice de inflação real (escala móvel de salários) e restabelecer o 82% móvel do último salário para todos os aposentados. Coloca a proibição das demissões e suspensões de todos os trabalhadores por 24 meses, não importando sua modalidade de contratação, a regularização dos trabalhadores sem carteira assinada ou sob modalidades de contratação precárias, e ataca a terceirização. Fazemos esta defesa quando estamos novamente ante um golpe ao bolso dos trabalhadores depois da desvalorização, com a inflação que carcome a cada dia os salários, e enquanto se intensificam as suspensões e demissões. Ainda por cima, pretendem impor um teto salarial nas negociações.
Cada crise econômica que teve a Argentina nos últimos 40 anos terminou com um saque ao nível da vida da única classe produtora, a classe trabalhadora, em função de um punhado de grandes capitalistas.

Hoje, a saída que se propõe tanto desde o governo como de grande parte da oposição é que esta crise volte a ser paga pelos trabalhadores e os setores mais pobres de nossa sociedade. Uma vez mais, desde as esferas do poder político e econômico se pretende que as maiorias nacionais ponham seu esforço a serviço de um pequeno grupo privilegiado que vive do trabalho alheio, incluindo os credores da dívida externa, a custa da queda do nível de vida da família trabalhadora. Não vamos permitir.

Por isso, desde a bancada de Nicolás Del Caño, propusemos a nossos companheiros da FIT, o Partido Obrero e a Izquierda Socialista, apresentar este projeto em comum nos próximos dias e difundi-lo de cara às organizações operárias e de trabalhadores em todo o país, para que seja distribuído massivamente e contribuir a que a força dos trabalhadores ponha em marcha o motor que necessita para colocar em discussão uma saída própria, e que não sejamos mais uma vez aqueles que pagarão pela crise.

Pela luta das operárias de Kromberg

Também por iniciativa de Nicolás Del Caño, àqual se somaram os companheiros Néstor Pitrola e Pablo López do PO e, ao fechamento desta edição, vários deputados de outras bancadas, a luta das operárias e operários de Kromberg & Schubert chegou ao Congresso com a elaboração de dois projetos de resolução. Junto ao aporte ao fundo de luta realizado dias atrás e a presença e solidariedade em suas marchas e ações de luta desde o primeiro dia, estes projetos são parte da campanha empreendida junto às demitidas e demitidos para enfrentar estas demissões discriminatórias. O primeiro projeto exige a presença no Congresso do ministro do Trabalho Carlos Tomada para que dê explicações sobre a intervenção deste Ministério no desenvolvimento do conflito desatado àraiz da demissão de 12 trabalhadores em junho de 2013 e de 54 trabalhadores em janeiro de 2014, dispostos pela empresa Kromberg. O projeto também pede informes sobre o acionar de Tomada e os funcionários desse Ministério, que se vêm lavando as mãos ante as demissões e os reiterados descumprimentos aos direitos dos trabalhadores nessa empresa. O outro projeto expressa sua total solidariedade com a luta das trabalhadoras e trabalhadores demitidos por sua reincorporação e o conjunto de suas demandas.

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo