Domingo 16 de Junho de 2019

Direitos Humanos

FALECIMENTO DE HELENA GRECO

HELENA GRECO, PRESENTE! HOJE E SEMPRE! 15/06/1916 - 27/07/2011

11 Aug 2011   |   comentários

Helena Greco foi uma importante figura na luta pela anistia ampla geral e irrestrita aos militantes que lutaram contra o regime ditatorial instalado no Brasil até meados dos anos oitenta. A partir de 1975, as mulheres ganharam protagonismo na luta pela anistia com o lançamento do Manifesto da Mulher Brasileira, pelo Movimento Feminino pela Anistia. Isso possibilitou que posteriormente fossem formados os Comitês Brasileiros de Anistia que se espalharam pelo país, nacionalizando esta luta durante a ditadura. Foi justamente nessa luta decidida que Helena Greco, desde Minas Gerais, se tornou figura nacional e internacional - discursando em Roma no ano de 1979 – na luta pela anistia e contra a ditadura.

Apesar de termos diferenças com sua estratégia de luta, hoje resgatar a luta pela anistia e a memória de Helena Greco, assim como dos mortos e desaparecidos na ditadura, é fundamental para todos os que lutam por uma transformação radical da sociedade em que vivemos. Na verdade a ditadura acabou, mas a tortura e os massacres do povo pobre pelas mãos da policia e dos órgãos de repressão do estado se mantém, inclusive com a participação dos "velhos" torturadores do regime militar que estão livres para comandar os assassinatos e torturas da policia – mais violenta do mundo - brasileira. Isso porque na verdade vivemos em uma democracia degradada que, para servir aos ricos, impede a punição aos torturadores e esconde a verdade do que aconteceu durante o regime militar não abrindo todos os arquivos da ditadura militar.

Portanto, para nós a melhor maneira de homenagear Helena Greco é resgatar a magnitude de sua luta, não como fatos passados, senão como lutas vivas, lições a serem tiradas e principalmente transformadas em ação. Para nós, essa é uma luta ferrenha na qual, em primeiro lugar os partidos de esquerda, assim como os sindicatos, institutos de direitos humanos, organizações populares e de juventude devem se aliar a todas as organizações e comissões de familiares de mortos, desaparecidos e ex-presos políticos em uma luta para impor a abertura imediata de todos os arquivos da ditadura, o fim da lei da anistia e a punição e condenação a todos os militares e civis envolvidos com o regime militar.

Artigos relacionados: Direitos Humanos , Belo Horizonte









  • Não há comentários para este artigo