Internacional

Governo alemão exige um cessar-fogo total na Ucrânia

25 Feb 2015 | O Governo alemão considerou hoje “preocupante†que não se respeite o acordo para um cessar-fogo“total†na Ucrânia e insistiu à s partes no conflito a cumprir os compromissos adquiridos, ainda que reconheça que houve “avanços†. Durante o fim de semana houve mais mortes por enfrentamentos entre o exército de Kiev e os separatistas pró-russos.   |   comentários

O Governo alemão considerou hoje “preocupante†que não se respeite o acordo para um cessar-fogo“total†na Ucrânia e insistiu às partes no conflito a cumprir os compromissos adquiridos, ainda que reconheça que houve “avanços†. Durante o fim de semana houve mais mortes por enfrentamentos entre o exército de Kiev e os separatistas pró-russos.

Em uma coletiva de imprensa em Berlim, o porta-voz da Chancelaria, Steffen Seibert, citou entre as “evoluções positivas†do conflito na Ucrânia o início do intercâmbio de prisioneiros entre o Governo de Kiev e os separatistas pró-russos e o acordo para a retirada do armamento pesado.

Não obstante, recordou que o cessar-fogo é um requisito necessário para que se leve a cabo a retirada desses armamentos e também para o trabalho de observação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Em véspera de que os ministros de Exteriores de Rússia, Ucrânia, França e Alemanha se reúnam em Paris para analisar a aplicação dos acordos de Minsk, Seibert voltou a insistir àRússia para exercer sua “grande influência†sobre os separatistas.

Na mesma linha se manifestou o porta-voz de Exteriores, Martin Schäffer, considerando que o cessar-fogo neste momento é “substancial†, mas não total.
O Governo alemão advogou, além do mais, por intensificar a colaboração com a OSCE para permitir que seus observadores tenham acesso às zonas em que não se estão respeitando o cessar-fogo, como Mariúpol e Debáltsevo.

Ao menos dois soldados ucranianos morreram nas últimas 24 horas em combate com as milícias pró-russas apesar do cessar-fogo em vigor desde 15 de fevereiro, segundo informou hoje o comando militar ucraniano.

“Na última jornada foram mortos dois soldados ucranianos e outros dez ficaram feridos†, informou um porta-voz na coletiva de imprensa.

Segundo meios de comunicação locais, os dois militares morreram na região de Shirókino, a 23 km do porto de Mariaúpol (mar de Azov), sede do Governo regional leal a Kiev, cenário de combates há alguns dias.

A Ucrânia acusou no domingo os rebeldes de lançar um ataque com tanques, artilharia e morteiros contra as posições governamentais em Shirókino.

Um porta-voz da autoproclamada república popular de Donetsk reconheceu os combates e explicou que metade de Shirókino está controlada pelas milícias, e a outra pelo batalhão governamental de voluntários “Azov†.

Isto ocorreu depois que os separatistas deram por terminadas as hostilidades na região de Donetsky e asseguraram que a frente havia se estabilizado.

Precisamente, o comando militar ucraniano assegurou hoje que começará a retirada do armamento pesado da zona de segurança no leste do país somente quando as milícias pró-russas respeitarem completamente o cessar-fogo. Segundo a fonte, “neste momento não se dá um completo cessar-fogo†.

Ainda que o cessar-fogo entrou em vigor no dia 15 de fevereiro, nos dias seguintes os rebeldes atacaram e tomaram a estratégica região de Debáltsevo, ao que Kiev e as chancelarias ocidentais taxaram de violação a trégua dos acordos de Minsk. Enquanto que do lado separatista se justificou dizendo que o território de Debáltsevo não entrava em acordo de cessar-fogo.

Agências/ LaizquierdaDiario

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo