Juventude

CENTRO ACADÊMICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS GESTÃO EKOABÓK

Estudantes se reúnem em debate pra discutir democracia na Unesp de Araraquara

19 Mar 2010   |   comentários

Realizou-se no dia 18 de março na Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara um importante debate entitulado “Democracia: Por que e Para quem?†, que contou com a presença de Claudionor Brandão, da Liga Estratégia Revolucionária e dirigente sindical demitido do Sindicato de Trabalhadores da USP, além de Lais Tsuki e Léo pelos Centro Acadêmicos de Ciências Sociais (CAFF) e Economia (CACEF) respectivamente, que organizaram o debate como uma forma de aprofundar uma real concepção de democracia, para que possamos responder aos intensos ataques das direções e reitorias, como a sindicância enfrentada pelos CAs de Araraquara, ou o ataque a isonomia* entre professores e funcionários das estaduais promovida pelos REItores no início deste ano.

O debate contou com 90 estudantes, e em sua grande maioria calouros, o que demonstra uma grande disposição dos estudantes ingressantes em pensar seu papel na universidade, expresso pelas inúmeras intervenções no debate pelos calouros. Brandão denunciou a universidade em seus ideários democráticos, mas que na verdade são uma verdadeira oligarquia a serviço de seus interesses e dos governos estadual e federal, que se fazem da estrutura de poder antidemocrática da universidade para fazer parcerias com fundações privadas que lucram milhões a custo dos recursos da universidade e a essas praticamente nada o repassam, mas que para estudantes, sendo isso considerado democrático, mas o direito de reivindicação dos estudantes, funcionários e professores não o são, e que nossa saída só pode se dar derrubando a burocracia através de uma aliança entre os estudantes em conjunto com a classe trabalhadora e a população pobre, aliando essa luta ao fim do vestibular e da estatização das universidades particulares.

Léo colocou que a importância de entender o real interesse da direção em sindicar os estudantes, de dar cala-boca nos CAs, de forma a poder castrar qualquer mínima reivindicação e luta dos estudantes, para poder seguir com seus planos para universidade. Em sua fala Lais pontuou como a universidade deveria ser um espaço que fizesse a ligação entre o aprendizado e a crítica, um lugar que proporcionasse um ambiente próprio para uma dinâmica de estudo e discussão. Mas que a partir da burocracia a universidade tem sua estrutura impossibilitada de mínimas garantias para que essa dinâmica aconteça, além do uso de leis totalmente antidemocráticas, que de fato só servem para validar o poder dessa burocracia, e impedir qualquer mobilização. E ressaltou que só a união dos estudantes pode fazer frente a todos os ataques da direção, mas que para isso é necessário que os estudantes saiam do marco coorporativo e se unam aos trabalhadores e o conjunto da população para lutar pela real democratização da universidade. Assim como dos estudantes apoiarem ativamente a luta dos trabalhadores, e chamou a todos os estudantes a se solidarizarem com a luta dos professores do estado de São Paulo em greve desde o dia 8 de março.

Muitos estudantes se colocaram com valorosas contribuições, em um debate muito rico, que perpassou desde aprofundarmos a discussão sobre estrutura de poder na universidade, o vestibular e seu caráter de filtro social (de classe, raça e gênero), cotas, formas de combater a repressão, e de como precisamos retomar os espaços de utilização da universidade, assim como da necessidade dos estudantes e do apoio fundamental aos trabalhadores em suas lutas, como na greve dos professores do estado de São Paulo. Além da participação dos estudantes dos espaços de discussão do movimento estudantil que se coloca na luta contra a burocracia e os governos, e para isso a importância fundamental de todos comparecem no próximo CEEUF que será realizado em Araraquara nos dias 10 e 11 de Abril.

Artigos relacionados: Juventude









  • Não há comentários para este artigo