Internacional

SOLIDARIEDADE

Em defesa do A-90: os estudantes que tomaram o rumo da história em suas mãos

07 Jan 2012   |   comentários

Desde a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo viemos manifestar nosso mais profundo repúdio ao desalojamento e a tentativa de fechamento do Liceu A-90 que vem tentando impor Julio Palestro.

Os estudantes do Liceu A-90 são atacados por transformar-se em um exemplo nacional da mobilização da juventude que combate o sistema educacional neoliberal herdeiro do regime de Pinochet. O exemplo de autogestão mantido pelos estudantes do A-90 que, assumiram para si, com enorme apoio dos professores, pais e da comunidade, o controle dos programas, do funcionamento deste colégio, mantendo seu pleno funcionamento por mais de dois meses constitui um exemplo simbólico dado pela juventude chilena a todos os que lutam contra este regime social de exploração, e, portanto, um enorme risco àmanutenção de governos como Piñera, sustentado na perpetuação dos privilégios da classe dominante chilena, nos compromissos com o imperialismo àcusta da exploração e opressão aos trabalhadores, estudantes e ao conjunto do povo chileno.

Para nós, no Brasil, onde a classe dominante passou décadas reproduzindo a ideologia que busca naturalizar a privatização de direitos fundamentais como a educação, o exemplo do A-90 nos entusiasma muitíssimo e aponta o caminho a ser seguido por toda juventude latino-americana e por todos os que lutam por uma educação pública e de qualidade.

Nos solidarizamos incondicionalmente com a luta dos estudantes chilenos e aos nossos companheiros do A-90 pois acreditamos que, em tempos marcados pela crise econômica capitalista, em que os patrões e governos como Piñera preparam medidas mais duras de ataque às condições de vida e de trabalho, em que a juventude é especialmente atingida, será mais do que necessário generalizar experiências como as do A-90 e forjar uma sólida aliança entre os estudantes e trabalhadores para por abaixo toda a estrutura reacionária que mantém a ordem social de exploração em que vivemos.

Diretoria do Sindicato de Trabalhadores da USP

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo