Questão negra

Continuam os protestos pelos afroamericanos assassinados em Ferguson e em Nova Iorque

11 Dec 2014 | Os protestos contra a absolvição dos policiais brancos que assassinaram Michael Brown em Ferguson e Eric Garner em Nova Iorque continuaram e se estenderam durante o fim de semana. No sábado e no domingo, se realizaram protestos em Oakland e Berkeley que foram reprimidos pela polícia.   |   comentários

A onda de indignação provocada pela decisão do grande jurado de deixar livre de acusação os dois policiais (que assassinaram Mike Brown e Eric Garner) aumentou ao saber na quinta-feira do assassinato de outro afroamericano pelas mãos de um policial branco em Phoenix, Arizona. Os protestos continuaram durante o fim de semana nos Estados Unidos.

A onda de indignação provocada pela decisão do grande jurado de deixar livre de acusação os dois policiais (que assassinaram Mike Brown e Eric Garner) aumentou ao saber na quinta-feira do assassinato de outro afroamericano pelas mãos de um policial branco em Phoenix, Arizona. Os protestos continuaram durante o fim de semana nos Estados Unidos.

Nova Iorque viveu no domingo sua quinta jornada consecutiva de mobilizações que incluiu cortes de ruas e pontes. Só nas primeiras jornadas, já se contabilizavam mais de 300 manifestantes detidos nas cidades mais importantes do país.

Na Costa Oeste, especialmente em Berkeley e em Oakland (Califórnia), se realizaram importantes protestos na noite de sábado e domingo. Durante a marcha da noite de domingo, a polícia interveio para impedir o avanço dos manifestantes jogando gás lacrimogêneo e reprimindo com cassetetes e “material antidistúrbios†. Durante a noite, foi registrado alguns enfrentamentos que terminaram com alguns policiais apedrejados e agências bancárias com vidros quebrados. Em Seattle (Washington), também se registraram incidentes e houve meia dúzia de prisões.

Entretanto, através das redes sociais começaram a organizar novos eventos para os próximos dias, entre os quais se destaca uma grande marcha que está sendo construída em Nova Iorque para o sábado, 13 de dezembro.

Batizada de “Millions March NYC†, a manifestação pretende reunir uma grande massa para exigir do Departamento de Justiça que apresente acusações federais contra os policiais envolvidos nas mortes como a de Garner ou a do jovem Michael Brown em Ferguson (Missouri).

Mais de 30 mil pessoas haviam indicado no domingo sua intenção de ir àmarcha na página do Facebook criada para promover o evento, descrito como “Um dia de ira†.

Continuam-se escutando vozes críticas contra a atuação da polícia em distintos atos, entre eles, no funeral celebrado no sábado em Nova Iorque por Akai Gurley, um jovem afroamericano que foi assassinado por um policial branco no mês passado no Brooklyn.

Também falou em público a viúva de Garner, Esaw Garner, que agradeceu o apoio mostrado nas ruas e pediu que as mobilizações continuassem.

“Sigam lutando. Sigam lutando pelo correto, para ter justiça.†, disse Garner em um discurso gravado pelo jornal Daily News.

Artigos relacionados: Questão negra









  • Não há comentários para este artigo