Internacional

Christian Castillo frente a vitória do Syriza nas eleições gregas

02 Feb 2015 | Declaração de Christian Castillo, dirigente nacional do PTS (organização-irmã da LER-QI na Argentina) e deputado estadual da província de Buenos Aires pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, frente a vitória do Syriza nas eleições gregas.   |   comentários

Declaração de Christian Castillo, dirigente nacional do PTS (organização-irmã da LER-QI na Argentina) e deputado estadual da província de Buenos Aires pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, frente a vitória do Syriza nas eleições gregas.

“A vitória do Syriza nas eleições gregas, por uma margem maior do que apontavam as pesquisas em relação ao partido governante de direita Nova Democracia, é um fato político relevante em uma Europa atravessada pela crise e pelas políticas ‘de austeridade’ ditadas pela troika do Banco Mundial, do FMI e do Banco Central Europeu, e aplicadas pelos governos locais. O partido liderado por Alexis Tsipras obteve 36 por cento dos votos e quase conseguiu a maioria necessária para formar um governo sozinho. Este resultado, assim como o voto em outras forças de esquerda, expressa a rejeição de amplos setores de trabalhadores e do povo grego às políticas que provocaram um aumento brutal da dívida pública para salvar os negócios dos banqueiros e empresários, enquanto o desemprego, a pobreza e a precariedade do trabalho cresceram.

No entanto, há uma contradição importante entre as aspirações do movimento de massas e o programa e a orientação política do Syriza, tratando de mostrar-se ‘respeitável’ aos olhos dos governos da Europa do capital. Nos últimos anos, a classe operária grega e a juventude têm mostrado grande combatividade, como comprovam as 33 greves gerais realizadas de 2010 até esta data. Para além da política conciliadora do Syriza, as classes dominantes europeias veem com preocupação um resultado que pode antecipar a queda, também em outros países, dos partidos socialdemocratas e conservadores que descarregaram sua crise sobre os trabalhadores.

Ao mesmo tempo em que manifestamos o nosso rechaço a qualquer tentativa por parte do capital financeiro em tentar falsificar os resultados das urnas, apontamos com clareza que o destino da Grécia dependerá da capacidade de mobilização independente da classe operária e de todos os explorados para avançar na conquista de um verdadeiro governo dos trabalhadores, construído sobre as ruínas deste regime social capitalista.â€

Christian Castillo, dirigente nacional do PTS e deputado provincial de Buenos Aires pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores.

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo