Movimento Operário

Greve da USP e das estaduais paulistas

Chegando aos 100 dias de greve: não tem arrego!

01 Sep 2014   |   comentários

Essa é uma semana decisiva para o futuro de nossa greve e da universidade. É a hora de todos estarem, mais do que nunca, fortalecendo a mobilização. No dia 2 a reitoria quer aprovar no C.O. o PDV e a política de reajuste salarial.

Essa é uma semana decisiva para o futuro de nossa greve e da universidade. É a hora de todos estarem, mais do que nunca, fortalecendo a mobilização. No dia 2 a reitoria quer aprovar no C.O. o PDV e a política de reajuste salarial. O PDV é uma política de corte de cerca de 2800 postos de trabalho (“numa primera fase†), o que, junto ao congelamento das contratações agora previsto pra durar até 2018, vai aumentar muito a sobrecarga e os acidentes de trabalho e o adoecimento de trabalhadores, e destruir a qualidade do funcionamento da universidade e do atendimento àcomunidade e àpopulação – e isso independentemente do quanto a reitoria gaste com gratificações para convencer uma parte dos trabalhadores a aderir. É uma tarefa fundamental construir um grande ato e barrar o PDV, e arrancar o reajuste salarial desta casta burocrática que forma o C.O.

No dia 3 se completam 100 dias do início de nossa greve, e haverá negociação entre o Fórum das Seis e o CRUESP sobre a pauta unificada, que inclui o resjuste e uma série de outros pontos, inclusive o HU. Mais uma vez, será decisiva a nossa mobilização, construindo um grande “Ato dos 100 dias†para arrancar nossas demandas.

Essas tarefas se ligam ànecessidade de seguir a luta para que o HRAC volte para a USP e contra a desvinculação do HU – que foi adiada em 30 dias, mas segue nos planos de Zago e da burocracia -, buscando ampliar ainda mais o arco de alianças na universidade e fora dela, mostrando para a população que essa luta é sua e somos nós seus aliados.

Como viemos demonstrando desde o início nossa greve ecoa bandeiras que são do conjunto da população, como a educação e a saúde pública. Por isso, diante da suposta crise financeira da USP continuamos exigindo a abertura dos livros de contas da universidade bem como mais verbas pra USP e pro conjunto da educação.

O ataque da reitoria ànossa greve, recorrendo àjustiça, por enquanto está saindo pela culatra. A ata do TRT, apontando que os cortes de ponto são ilegais e que a reitoria deveria negociar dão ainda maior respaldo para nossa luta dentro e fora da USP. Mas isso é fruto da legitimidade e da força da nossa mobilização, e é somente ela que poderá garantir nossas conquistas.

Por isso mesmo, o que fará a diferença é a participação ativa de cada trabalhadora e trabalhador nessa semana decisiva para garantir nossas conquistas e barrar os planos de Zago e Alckmin de destruição da universidade.

Artigos relacionados: Movimento Operário









  • Não há comentários para este artigo