Internacional

SOLIDARIEDADE

Campanha contra a repressão no Estado Espanhol

07 May 2012   |   comentários

Veja abaixo, o comunicado de imprensa na Universidad de Barcelona Raval organizado contra a criminalização aos lutadores. No 1º vídeo, matéria do canal Telenotices, fala Salvador Lou, estudante da UB Raval e militante da organização Clase Contra Clase. No outro vídeo, do programa BTV Notices, falam Santiago e o docente da Universidade, Alberto Lopez

No Estado Espanhol a repressão que seguiu àúltima greve geral está sendo muito dura. A organização irmã da LER—QI, Clase contra Clase, nos enviaram este pedido de abaixo-assinado para ser trabalhado aqui em apoio àliberdade imediata dos presos. Basta enviar nome, país e profissão/instituição ou organização que atua para o endereço de e-mail indicado abaixo para aderiràcampanha.

Solidariedade com as e os trabalhadores e jovens do Estado Espanhol. Se atacam um@ atacam a tod@s!

Depois da massiva e histórica jornada de greve de 29M no Estado Espanhol contra a reforma trabalhista e os ataques, o governo respondeu com repressão policial e uma feroz campanha de criminalização que especialmente em Barcelona foi se intensificando dia após dia. Nos últimos dias se intensificaram os discursos daqueles que querem criminalizar o protesto dos trabalhadores e do povo, dando um salto na
perseguição aos lutadores operários, juvenis e populares. O Conselheiro do Interior catalão, Felip Puig, pediu um endurecimento do Código Penal, potencializar a prisão provisória e aumentar em 25% o sistema de segurança. Também o presidente do PP em Barcelona, Alberto Fernández Díaz exigiu que se aplique a legislação antiterrorista que se emprega habitualmente contra os lutadores bascos; que contemplam um mínimo dois anos de prisão – agora as desordens públicas são castigadas com entre seis meses e três anos de prisão. Assim respondem com mais violência a já violenta realidade dos ataques, do desemprego, da fome, e da reforma trabalhista.

Durante a jornada de greve houve mais de 180 presos em todo o Estado, sendo mais de 50 em Barcelona. Neste momento há 4 detidos em “prisão preventiva†. Puig detalhou que dos 79 presos da Catalunha – oito menores de idade – 42 passaram àdisposição judicial e só um ficou em liberdade.

Além disso, há que lembrar com que são dezenas de feridos produzidos pela repressão policial, com seus gases, balas de borracha, sendo que dois deles perderam um olho. Os abaixo-assinados denunciamos
a campanha de criminalização e a duríssima repressão policial contra os trabalhadores e jovens que participaram da greve de 29 de março e pedimos a imediata liberdade, sem processos, de todas as pessoas detidas durante esta jornada. Como assim também exigimos a anulação dos processos judiciais a todos os ativistas do 29 de março.

PARA ENVIAR ASSINATURAS: bastaderepresion29m@gmail.com

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo