Nacional

Ato em SP repudia repressão de Alckmin e Cury ao Pinheirinho em São José do Campos

25 Jan 2012   |   comentários

Em resposta a brutal ofensiva contra a população do Pinheirinho e para prestar solidariedade aos moradores, organizações de esquerda, estudantes, vários sindicatos e movimentos sociais organizaram em resposta urgente um ato no mesmo dia da invasão do operativo policial a mando de Alckmin, Cury e do TJ-SP, no vão do MASP na Avenida Paulista. Mesmo com pouco tempo de convocação, o ato contou com cerca de 500 pessoas que pararam por mais de 2 horas (...)

Por volta das 6 horas da manhã de domingo (2/01) um contingente de 2.000 policiais invadiu a ocupação do Pinheirinho a mando do prefeito Eduardo Cury e do governador Geraldo Alkcimin para reprimir violentamente e desalojar milhares de famílias que há mais de 8 anos moram em um terreno que é patrimônio da massa falida de uma das empresas do corrupto Naji Nahas.

Em resposta a essa brutal ofensiva contra a população do Pinheirinho e para prestar solidariedade aos moradores, organizações de esquerda, estudantes, vários sindicatos e movimentos sociais organizaram em resposta urgente um ato às 17h no vão do MASP na Avenida Paulista.

Mesmo com pouco tempo de convocação, o ato contou com cerca de 500 pessoas que pararam por mais de 2 horas o transito em uma das principais vias da Avenida Paulista.

Nós, militantes da LER-QI junto aos companheiros da Juventude Às Ruas formamos um bloco composto por estudantes da USP, UNESP e Fundação Santo André, Trabalhadores da USP, professores da Rede Publica, Metroviários e Bancários para de forma ativa e militante mostrar solidariedade ativa àluta por moradia dos moradores do Pinheirinho que enfrentam prefeituras, governos e suas respectivas policias que se contrapõem às demandas legítimas de 2 mil famílias para defender os interesses especulativos do conhecido corrupto Naji Nahas.

Enviamos também delegações de São Paulo e de Campinas para São José para se incorporarem aos atos e manifestações de solidariedade organizados na própria cidade, como o corte que bloqueou por mais de 3 horas a Rodovia Dutra. Diana Assunção, militante da LER-QI e diretora do Sintusp interviu levando a solidariedade do Sindicato e denunciando a repressão, e André Bof, da Juventude Às Ruas e juventude da LER-QI denunciou este estado democrático "dos ricos" que mostra sua faceta mais cruel neste tipo de situação, chamando também a construir uma grande campanha em solidariedade aos moradores do Pinheirinho.

Tamanha ofensiva por parte do governo Estadual e prefeitura de São José dos Campos precisa ser respondida àaltura, construindo uma grande campanha de solidariedade nacional contra a brutal repressão e em apoio aos moradores do Pinheirinho, colocando as demandas por moradia e os inúmeros ataques aos movimentos por moradia em um debate nacional. Em todos os locais de trabalho é preciso que os trabalhadores demonstrem através da organização de ações de apoio, tais como paralisações e a composição aos atos de solidariedade. A burguesia e os patrões tentam nos convencer de que se há miséria, somos nós, os trabalhadores, os únicos responsáveis por ela. Deixam de dizer que através do Estado por eles controlado, determinam salários insuficientes para nos fazer pagar pelo que nos é essencial para viver. São eles também que determinam como e onde serão construídas nossas casas, e onde será dedicado ao lucro de seus financiadores. Todos às ruas para dizer que não há especulação ou mercantilização da moradia, transporte ou alimentação que sirva ànossa classe.

- Liberdade imediata aos presos políticos e nenhum processo!
- Punição aos responsáveis pela repressão!
- Desapropriação sem indenização da área do Pinheirinho!
- Por um plano de obras publicas e moradia digna para todos, dirigido pelos sindicatos, movimentos de moradia e moradores!

Artigos relacionados: Nacional , Direitos Humanos









  • Não há comentários para este artigo