Economia

Armínio Fraga “versus†Dilma Rousseff : entre o ajuste “suave†, o desemprego e a inflação

20 Oct 2014   |   comentários

Com a polarização PT e PSDB no segundo turno, volta à cena o debate sobre os programas econômicos de Dilma e Aécio: Salário mínimo, emprego e busca pela “confiança dos mercados†são termos do momento neste debate. Novamente, nenhuma palavra sobre os ajustes e a flexibilização dos direitos dos trabalhadores, que ambos candidatos farão para atender aos interesses do lucro dos (...)

Com a polarização PT e PSDB no segundo turno, volta àcena o debate sobre os programas econômicos de Dilma e Aécio: Salário mínimo, emprego e busca pela “confiança dos mercados†são termos do momento neste debate. Novamente, nenhuma palavra sobre os ajustes e a flexibilização dos direitos dos trabalhadores, que ambos candidatos farão para atender aos interesses do lucro dos capitalistas. Mas a verdadeira garantia do nível de emprego e do salário digno virá pelas lutas e pela organização dos trabalhadores e do povo pobre.

Nesta última semana, as trocas de farpas entre Dilma e Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central do governo de Fernando Henrique Cardoso, deram o tom do debate econômico frente ao segundo turno. A política do salário mínimo, as metas de inflação e a continuidade de gastos sociais como o Bolsa Família foram os alvos principais.

Armínio Fraga, secretário econômico de Aécio Neves, fala em “ajuste suave†em dois a três anos, com corte nos gastos do governo (pois “há muita gordura para queimar†). Isso, na prática, implica em mais dinheiro para a dívida pública, privatizações e os chamados “cortes nos subsídios†, junto àabertura de mercado para as relações de comércio com EUA, Europa e China. Segundo o “futuro ministro†do PSDB, o “círculo virtuoso†de 1999 levou o Brasil ao crescimento de 0,25% com a aplicação de forte corte nos gastos públicos (chamado ajuste fiscal), escondendo que, neste mesmo ano, o país passava por um dos mais altos índices de desemprego dos anos 1990, 11% de desemprego com mais de 8,2 milhões de desempregados [1].

A estratégia de Dilma e do PT aposta em comparar Aécio Neves a FHC, dando especial destaque aos elevados índices de desemprego do antigo governo tucano. Também se utilizam de forma demagógica da redução relativa da miséria em algumas regiões do país e do aumento real do salário mínimo como mostras de que a “Era do PT†no poder gerou “benefícios†para os mais pobres e os trabalhadores. O que escondem é que seguem a mesma orientação de política econômica do PSDB. Continuam o respeito ao sagrado tripé econômico de orientação neoliberal do FMI (aplicado durante a crise dos anos 1990 pelo governo FHC de Armínio Fraga) e formado pela combinação de altas taxas de juros, grandes reservas de bilhões de dólares para pagamento da dívida pública (superávit primário), além das taxa de câmbio valorizado – que tornam os produtos importados mais baratos.

Porém é preciso desmistificar o discurso petista, que oculta, por trás da propaganda do “medo dos fantasmas do passado de FHC†, que o crescimento da renda nacional e a queda do desemprego em seus 12 anos de governo ocorreram por uma situação excepcional na economia mundial com a alta dos preços dos produtos agrícolas exportados pelo país (as commodities) e elevada entrada de capital estrangeiro. Além do que o emprego gerado neste período tem a marca da precarização, da terceirização e da alta rotatividade no emprego. O trabalho precário é a contracara dos índices atuais oficiais de desemprego de 5% (para o mês de agosto).

Desemprego

Segundo a fonte dos dados é o DIEESE, cujos critérios levam mais em consideração o trabalho precário, para as regiões metropolitanas, onde se concentram a maior concentração de trabalhadores urbanos no país, os índices de desemprego para o mês de junho ultrapassaram os 10% na maioria das regiões. Na região metropolitana de Salvador o desemprego atinge 18,2% da população em idade para trabalhar, e na região metropolitana de SP o índice é de 11,3%. A média nacional, para estas regiões é de 10,8% de desempregados, ou seja, mais que o dobro do índice propagandeado oficialmente pelo governo, baseado no IBGE.

Na indústria, o emprego continua em forte queda. No acumulado do ano a queda é de 2,7%, com destaque para o estado de SP, onde a redução alcança quase 5%, atingindo 15 dos 18 ramos de atividade industriais do país. Na comparação de agosto deste ano com agosto de 2013, o emprego na indústria teve queda de 9% no setor de calçados, e 7,5% para o setor de meios de transportes e aparelhos eletroeletrônicos, além dos setor metalúrgico que apresentou queda de 5,5%. [2]

Inflação e aumento de tarifas

A inflação dos alimentos foi um tema explorado pela campanha do PSDB de forma desavergonhada a partir de declaração de secretário do governo Dilma que sugeria implicitamente que a população diante do aumento do preço da carne bovina, a trocasse por frango e ovos [3]. A cesta básica não para de crescer. Em SP custa em média 50% do salário mínimo, de R$ 724,00. Em agosto, o salário mínimo necessário era de R$ 2.861,55. 9,15%.

O preço dos alimentos essenciais como as carnes e o leite, são os que mais cresceram para o mês de setembro, o que pesa todo mês nas compras dos trabalhadores. Para os mais pobres, a inflação de alimentos e nas tarifas de energia reduz a capacidade de compra dos salários, que já são muito baixos. Disso pouco se diz nas propagandas dos candidatos, que preparam ajustes como aumento das tarifas de energia para o próximo ano.

FMI e ajustes

Recentemente, o Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou a projeção do crescimento da economia brasileira, reafirmando a estagnação na economia com o crescimento de apenas 0,3%. O FMI busca pressionar o Brasil para aplicar, independente do governo que for eleito, os ajustes “necessários†para o crescimento da economia, ou melhor, para os lucros dos empresários e dos bancos internacionais e nacionais, como o Itaú e o Bradesco que apresentam lucros recordes na década petista.

Estes ajustes se traduzem em cortes nos gastos públicos (“ajuste fiscal†), aumento da meta do superávit primário (hoje a meta do governo Dilma está em 99 bilhões de reais ou 1,9% do PIB – ou seja, 1,9% a menos de verbas para os gastos sociais), aumento nas tarifas de energia e preços como os combustíveis.

PT e PSDB já estão juntos para aplicaram os aumentos das tarifas: no Rio de Janeiro foi autorizado pelo governo federal o aumento na tarifa programada de energia em 25%, a empresa responsável no Rio é a Light que é de propriedade da Cemig (empresa estatal de Minas Gerais, estado até este ano governado pelo PSDB de Aécio).

Nem Dilma, nem Aécio: voto nulo para fortalecer a luta dos trabalhadores

O debate entre PT e PSDB na economia, passa longe de discutir os temas que interessam aos trabalhadores. O desemprego só aparece para o marketing político de Dilma, mas não se diz nenhuma palavra sobre as demissões na indústria que continuam crescendo para a maior parte dos ramos industriais, com os anúncios de férias coletivas e planos de demissões voluntárias (PDVs) na indústria automobilística e de autopeças, além do aumento relativo do desemprego nas regiões metropolitanas de todo o país.

A precarização do trabalho e flexibilização dos direitos trabalhistas não é um problema para ambos os candidatos da burguesia, que sabem ser esta uma condição necessária para o crescimento e a manutenção dos lucros dos empresários.

Ao contrário do que afirma a propaganda petista neste segundo turno, a única garantia de que se impeçam o aumento do desemprego, dos preços dos alimentos, serviços e tarifas e o arrocho salarial, não é a eleição de Dilma, ou trocá-la por Aécio Neves; a resposta a estes ataques que virão, está na mobilização e na organização independente dos trabalhadores e do povo pobre. O que é preciso é que os trabalhadores construam sua própria alternativa, com um programa político independente dos interesses dos lucros dos patrões, do FMI, e dos governos.

O voto nulo é essencial para debilitar qualquer um dos dois candidatos que seja eleitos, condição fundamental para as lutas que precisaremos travar contra os ajustes que virão.

[1] http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi31019919.htm
[2] http://iedi.org.br/artigos/top/analise/analise_iedi_20141010_emprego_industrial.html
[3] “Há uma série de outros produtos substitutos (para a carne) como frango, ovos e aves (...) que vêm apresentando comportamento benigno neste ano.†Fonte: http://oglobo.globo.com/economia/com-inflacao-alta-secretario-sugere-brasileiro-trocar-carne-por-ave-ovo-14188206

Artigos relacionados: Economia









  • Não há comentários para este artigo