Juventude

ELEIÇÕES ESTUDANTIS

ANEL unificada na Educação/USP!

30 May 2013   |   comentários

Após uma forte discussão programática, que buscamos fazer abertamente diante dos estudantes da Faculdade de Educação da USP e centrada nos principais temas (do curso, da Universidade e da educação no Estado de São Paulo e no país), haverá uma chapa unificada dos coletivos que constroem a ANEL no curso

Após uma forte discussão programática, que buscamos fazer abertamente diante dos estudantes da Faculdade de Educação da USP e centrada nos principais temas (do curso, da Universidade e da educação no Estado de São Paulo e no país), haverá uma chapa unificada dos coletivos que constroem a ANEL no curso – a “Juventude às Ruas†e o “Para Além dos Muros†–, com estudantes independentes que constroem ou estão conhecendo a ANEL, para as eleições do Centro Acadêmico Professor Paulo Freire. Essa unificação se dá em contraposição a uma chapa composta por Kizomba (PT), Mutirão (PPL), UJS (PC do B) e Levante Popular da Juventude (Consulta Popular), que representam uma concepção burocrática de entidade, uma atuação despolitizante e uma p¬olítica desorganizadora dos estudantes, buscando colocar o movimento estudantil da FE-USP a serviço da defesa das políticas privatizantes e precarizadoras do governo federal para a educação, por um lado, e tenta adaptá-lo às estruturas e ao regime universitários, por outro. Há membros da atual gestão do CAPPF nessa chapa que a reivindicam como continuidade dessa gestão.

Construímos a chapa unificada “Para fazer a diferença – Oposição†com a perspectiva de uma chapa militante e orgânica na faculdade, para atuar construindo o movimento estudantil aí não somente durante as eleições. Na formação da chapa preservamos a liberdade das organizações e dos independentes que compõem a chapa de debaterem publicamente suas posições e críticas em materiais próprios, e até mesmo expressar dife-renças com a posição majoritária na chapa sobre questões que não justificam apresentar chapas separadas.

A chapa tem como eixos principais os pontos centrais que a Juventude às Ruas intervirá no II Con-gresso da ANEL:

1) a luta por outro projeto de educação e pela democratização radical das estruturas de poder e do acesso àuniversidade, partindo da confluência com as lutas dos professores da rede estadual e municipal e com as lutas atuais dos estudantes da UNESP contra o PIMESP, por permanência estudantil e acesso pleno àUniversidade, contra as estruturas de poder e contra a repressão e os processos aos estudantes e trabalhadores;

2) a organização de uma forte e massiva campanha contra a repressão, desde a retirada da denúncia do MP contra os 72 estudantes e trabalhadores da USP, pelo fim de todos os processos, revogação das punições e reintegração dos 8 estudantes eliminados e de Brandão, denunciando a repressão dos governos estadual e fede-ral para além da USP;

3) a defesa das demandas democráticas das mulheres, dos negros e dxs LGTTBI, que enfrentam a falta de acesso e de permanência estudantil, a falta de creches, a escravidão do trabalho sob a terceirização e até a supressão de sua história na produção de conhecimento;

4) uma entidade estudantil concebida de maneira radicalmente democrática, que seja próxima dos estu-dantes e controlada pela base – com gestão proporcional, a garantia de um Congresso dos Estudantes e organi-zado a partir de suas assembleias.

A partir desses eixos o programa da chapa articula uma série de questões fundamentais a serem levadas àfrente, como a necessidade do fim do vestibular, através da estatização das universidades privadas e o neces-sário investimento público; a dissolução da atual estrutura de poder da universidade para a constituição de um governo de trabalhadores, estudantes e professores (tripartite); a efetivação dos trabalhadores terceirizados sem a necessidade de concurso público; a atuação ativa do movimento estudantil ao lado dos trabalhadores; a de-núncia do papel do Estado e das diferentes polícias no genocídio do povo negro e pobre; a necessidade do direi-to das mulheres ao seu próprio corpo, pela via da garantia do Estado àmaternidade plena – com exames médi-cos gratuitos na gestação, lavanderias, creches e restaurantes públicos – e ao aborto legal, seguro e gratuito, partindo de educação sexual não moral e contraceptivos para não engravidar.

Estes são os elementos programáticos fundamentais que uma entidade estudantil antigovernista precisa defender para combater a política das reitorias e dos governos, assim como desmascarar as entidades chapa-branca, como a UNE, permitindo alcançar os jovens que ainda permanecem em seu interior sob as influências dos Coletivos que atuam dentro do movimento estudantil com essa política. Somente esses elementos podem permitir que o movimento estudantil conflua com a classe trabalhadora e os setores mais oprimidos e explorados do povo, e é esse o programa que baliza a atuação da Juventude Às Ruas em todos os lugares em que in-tervimos.

Consideramos a formação de uma chapa unificada com o Coletivo Para Além dos Muros e estudantes independentes, em torno destes eixos e pontos programáticos, um importante avanço no movimento estudantil e por isso fazemos um chamado ao Coletivo Para Além dos Muros a ampliar essa frente única nos outros cursos e entidades estudantis da USP em que estão, diferentemente do que estão fazendo, principalmente no DCE em que compõe uma gestão junto com o PSOL (Juntos/MES e Rompendo Amarras/CSOL-1ºdeMaio) que não está tomando nenhuma medida para cumprir a tarefa fundamental de construir uma massiva mobilização contra os processos e a repressão, nem contra o PIMESP e pela permanência e acesso pleno àUniversidade, com a pers-pectiva de confluir nessa luta com os estudantes da UNESP. Do mesmo modo, chamamos o PSTU, que constrói esse coletivo, para que leve também esse exemplo para o II Congresso da ANEL, para que a experiência e o programa da chapa “Pra fazer a diferença†da FE-USP sirvam de exemplo para o movimento estudantil nacional, e façamos dessa entidade nacional uma alternativa de projeto de educação e de atuação para todos os estudantes do país desde as lutas em curso.

Nós, da Juventude às Ruas, estaremos no II Congresso da ANEL defendendo todo o programa da chapa unificada “Para fazer a diferença – Oposição†e chamamos todos os estudantes a construirmos esse programa, desde a ANEL para todos os nossos cursos nacionalmente!

Artigos relacionados: Juventude , São Paulo Capital









  • Não há comentários para este artigo