Internacional

10 propostas de Nicolás del Caño e da FIT para a cidade de Mendoza

23 Feb 2015   |   comentários

Conheça as propostas defendidas por Nicolas Del Caño nas eleições para prefeito em Mendoza, ficando em segundo lugar por conquistar 16% dos votos.

1. Terminar com o regime de negociatas, corrupção e segregação social:
que todos os funcionários públicos e vereadores ganhem o mesmo que um professor ou trabalhador qualificado. Convoquemos àeleição de uma Assembléia Popular Soberana conformada por um representante para cada mil eleitores, eleitos por voto direto e com mandatos revogáveis, com plenos poderes para alcançar uma planificanção nacional de desenvolvimento urbano a serviço dos interesses do povo trabalhador.

2. Por um orçamento democrático e participativo, baseado em tarifas progressivas aos mais ricos:
que termine o aumento de tarifas sobre a população trabalhadora. Estabelecer uma escala de tarifas e serviços onde paguem mais os cassinos, bancos, entidades financeiras e grandes empresas localizadas na cidade.ç Que 100% do orçamento seja discutido e votado em assembléias de bairros e uma Assembleia Popular Soberana. Abertura dos livros de contabilidade e revisão de todos os contratos e liçenças concedidas pelo município.

3. Pelo direito àcidade e àmoradia:
acabar àespeculação imobiliária, que permite que se construam torres de luxo e haja quinze mil moradias desabitadas enquanto as famílias continuam sem direito ao crédito e a terrenos urbanizados para construir suas casas. Estabelecer um fundo público para empréstimos acessíveis que termine com a falta de moradia familiar.
Acabar com a segregação dos bairros populares, pelo pleno acesso aos serviços urganos: higiene urbana, transporte, água potável, gás natural, iluminação e etc.
Os assentamentos de La favorita e Olivares devem ser urbanizados a partir de um plano traçado em conjunto com seus habitantes.
Para as construções que se encontram em terrenos impróprios ou sob o risco de inundações, sísmicas ou fruto de enchentes é necessário construir a infraestrutura necessária para sua proteção, ou transferi-las a terrenos adequados, sempre com o acordo dos habitantes.

4. Acabar com a perseguição da juventude nas ruas e nos espaços públicos:
criação e acesso livre a centros de esporte e lazer. Redução da jornada de trabalho, com garantia de todos os direitos trabalhistas, para todos os jovens que queiram terminar seus estudos e não tenham como se sustentar.

5. Defesa do espaço público e das liberdades democráticas:
revogação imediata do Código de Convivência inspirado nas portarias da ditadura militar. Garantia de abertura dos espaços públicos fechados (praças e avenidas) e o fim da criminalização dos protestos sociais.

6. Promover o passe livre para estudantes, trabalhadores e desempregados, em um transporte público com a demanda adequada, eficiente, seguro e estatal:
nos marcos de um planejamento racional do transporte urbano, desencorajar o uso de automóveis particulares dentro da Cidade, reduzindo drasticamente a poluição ambiental e acabar com o negócio de subsídios milionários às empresas de transporte.

7. Frente a crise que atravessa o país: impulsionar a proibição de demissões por dois anos, e a efetivação de todos os contratados e terceirizados. Um salário mínimo igual a renda mínima familiar, reajustado segundo a inflação.

8. Um plano de obras e serviços públicos que acabe com o desemprego e o trabalho precário:
oferecendo trabalho digno a todos os desempregados da Cidade. Estabelecimento de controle operário sobre as obras públicas, serviços e fiscalizações municiais, com a assessoria de técnicos e profissionais qualificados.

9. Combater todas as formas de violência contra a mulher:
casas-abrigo gratuitas para as vítimas de violência e tráfico de mulheres. Impulsionar a luta para acabar com as redes de tráfico. Aplicação imediata do aborto legal e impulsionar a luta nacional pela Lei de interrupção Voluntária da Gravidez. Cotas de ingresso no trabalho no município, de no mínimo 3%, para travestis, transexuais e trangêneros, e mulheres em situação de prostituição, que estejam aptas para o cargo e formação em serviço.

10. Com a mobilização e organização dos artistas, que acompanhou nossa vereadora Macarena Escudeiro, conseguimos derrubar a portaria da ditadura que o governo da UCR usava para perseguir os artistas de rua. Agora vamos pelo:
aumento do orçamento para a criação de oficinas artísticas e espaços culturais gratuitos, que levem em conta as distintas aulas presentes nos bairros, sob gestão dos artistas e trabalhadores da cultura. Eventos culturais da Cidade com salários dignos e direitos trabalhistas aos artistas, e tarifas populares acessíveis ou gratuitas. Criação e construção de creches municipais. Triplicar o orçamento da educação para garantir a gratuidade da educação na pré-escola para todos os filhos de mulheres trabalhadoras e estudantes.

Artigos relacionados: Internacional









  • Não há comentários para este artigo